Portal de Angola
Informação ao minuto

Julgamento de Augusto Tomás já tem data marcada

O Tribunal Supremo (TS) marcou para sexta-feira, dia 31 de Maio, o arranque do julgamento do antigo ministro angolano dos Transportes, Augusto da Silva Tomás (DR)

NJOnline | Fernando Calueto

O Tribunal Supremo (TS) marcou para sexta-feira, dia 31 de Maio, o arranque do julgamento do antigo ministro angolano dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, acusado de envolvimento no desvio de fundos do Conselho Nacional de Carregadores (CNC).

A informação foi avançada hoje, quinta-feira, 23, ao NJOnline, por uma fonte da Câmara Criminal da 1ª Secção do Tribunal Supremo que solicitou anonimato.

Segundo o Despacho do TS a que o NJOnline teve acesso, datado de 21 de Maio, a Secretaria Judicial da Câmara Criminal do Tribunal Supremo agendou para dia 31, às 9:00, o início da sessão de julgamento do ex-ministro dos transportes Augusto Tomás que se encontra detido desde 21 de Setembro de 2018.

O antigo governante está a ser acusado de seis crimes, num caso que envolve o Conselho Nacional de Carregadores (CNC), um órgão tutelado pelo Ministério dos Transportes. Trata-se de um de peculato na forma continuada, um de violação das normas de execução do plano e orçamento na forma continuada, um crime de abuso de poder na forma continuada, dois crimes de participação económica em negócio, um crime de branqueamento de capitais e outro de associação criminosa.

A acusação refere, por exemplo, que o CNC terá pago fretes, por orientação de Augusto Tomás, a entidades estranhas ao Ministério dos Transportes, como é o caso do Movimento Nacional Espontâneo e o Ministério da Justiça, “numa verdadeira demonstração de que os dinheiros públicos podiam ser gastos como ele bem entendia, sem obedecer a qualquer regra ou princípio e aos limites das despesas das unidades orçamentais”.

Augusto Tomás é acusado de ter utilizado os dinheiros do CNC para suportar as despesas do Ministério dos Transportes que se encontravam devidamente cabimentadas e cuja verba tinha sido aprovada no período entre 2014 e 2017.

Com o antigo ministro estão igualmente arrolados Isabel Cristina Gustavo Ferreira de Ceita Bragança e Rui Manuel Moita, ex-directores-gerais adjuntos para as Finanças e para a Área Técnica do Conselho Nacional de Carregadores. São igualmente arguidos Manuel António Paulo, então director-geral do CNC, e Eurico Alexandre Pereira da Silva, ex-director adjunto para a Administração e Finanças.

De recordar que para além de ocupar a pasta de ministro dos transportes, Augusto Tomás foi também ministro da Economia e Finanças, vice-ministro da Indústria e Comércio, governador de Cabinda, entre outros cargos.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »