- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Ásia Uma em cada dez pessoas em todo o mundo vive sem electricidade

Uma em cada dez pessoas em todo o mundo vive sem electricidade

Uma em cada dez pessoas em todo o mundo vive sem electricidade, a maioria das quais na África subsaariana, revela um estudo de cinco organizações internacionais hoje divulgado, referindo que a tendência é para uma diminuição muito lenta.

De acordo com a Lusa, a conclusão consta de uma análise feita pela Agência Internacional de Energia, a Agência internacional de Energias Renováveis, o Banco Mundial, a Organização Mundial de Saúde e a Unidade de Estatísticas das Nações Unidas.

Segundo o estudo, 11% da população mundial continua a não ter acesso a electricidade, apesar dos avanços dos últimos anos, percentagem que representa cerca de 770 milhões de pessoas.

A taxa de electrificação global, indica o documento, atingiu 89%, com 153 milhões de pessoas a conseguirem ter acesso a electricidade.

Apesar de a tendência ser de diminuição do número de pessoas sem acesso a energia eléctrica, as organizações chegaram à conclusão de que o problema será difícil de resolver, pelo que esperam que em 2030 (daqui a pouco mais de 10 anos), a quantidade de pessoas sem este bem ainda se fique pelos 650 milhões.

Segundo refere a Agência Internacional de Energia (AIE), o número de pessoas sem electricidade diminuiu de 1,2 mil milhões em 2010 para mil milhões em 2016 e 840 milhões no ano seguinte.

A evolução foi conseguida sobretudo graças aos progressos conseguidos em países como a Índia, o Bangladesh, o Quénia e Myanmar (antiga Birmânia).

No entanto, avisa a AIE, este número não terá uma redução mais séria se não forem adoptadas mais acções sustentáveis até 2030, ano de referência para os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, fixado pela ONU.

Nessa altura, estimam as organizações no relatório, o número de pessoas sem electricidade ainda será de 650 milhões, sendo que nove em cada 10 estarão na África subsaariana.

De facto, o maior desafio está nessa região, admitem as organizações, lembrando que, em 2017 (último ano em que há dados disponíveis), 573 milhões de pessoas dessa região não tinham acesso a electricidade.

Por outro lado, cerca de três mil milhões de pessoas não têm energia limpa para cozinhar, com uma “imensa maioria” a usar ainda lenha ou carvão, contribuindo para prejudicar a saúde, o meio ambiente e a igualdade de género.

De acordo com os autores do estudo, esse número passará para 2,2 mil milhões em 2030 e, mais uma vez, o problema continuará a centrar-se sobretudo na África subsaariana, embora também afecte particularmente a Ásia.

“Os progressos são muito lentos para que se consiga atingir o objectivo de acesso universal (de energia limpa para cozinhar) até 2030”, reconheceu uma directora da Organização Mundial de Saúde, Maria Neira.

Esta responsável defende, no estudo, que sejam adoptadas “acções direccionadas” para evitar cerca de quatro milhões de mortes por ano, devido a pneumonia, doenças cardíacas, AVC, doenças pulmonares e cancro causados pela poluição atmosférica dos lares.

- Publicidade -
- Publicidade -

Caso 900 milhões: Irene Neto, filha de Agostinho Neto, com contas congeladas e bens apreendidos em Angola

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje ao Novo Jornal que as contas de Irene Neto, filha do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto,...
- Publicidade -

Sector da Cultura incentiva gosto pela literatura

O Gabinete Provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos de Luanda e a organização Clin Carlos procederam nesta quinta-feira ao lançamento de um torneio...

Cabo Verde: Apenas duas mulheres lideram listas nas “autárquicas” de Outubro

Em Cabo Verde, nas oitavas eleições autárquicas, de 25 de outubro, estão apenas garantidas duas listas encabeçadas por mulheres à Câmara Municipal. Na Praia capital,...

Turismo é sustentado por nacionais em cerca de 70 por cento

O turismo internacional em Angola tem sofrido uma retracção, quer em termos de solicitações, quer de receitas, segundo a revista do Programa de Apoio...

Notícias relacionadas

Caso 900 milhões: Irene Neto, filha de Agostinho Neto, com contas congeladas e bens apreendidos em Angola

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje ao Novo Jornal que as contas de Irene Neto, filha do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto,...

Sector da Cultura incentiva gosto pela literatura

O Gabinete Provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos de Luanda e a organização Clin Carlos procederam nesta quinta-feira ao lançamento de um torneio...

Cabo Verde: Apenas duas mulheres lideram listas nas “autárquicas” de Outubro

Em Cabo Verde, nas oitavas eleições autárquicas, de 25 de outubro, estão apenas garantidas duas listas encabeçadas por mulheres à Câmara Municipal. Na Praia capital,...

Turismo é sustentado por nacionais em cerca de 70 por cento

O turismo internacional em Angola tem sofrido uma retracção, quer em termos de solicitações, quer de receitas, segundo a revista do Programa de Apoio...

Antártida é o único continente sem registo de qualquer caso

A Antártida é actualmente o único continente sem qualquer caso positivo do novo coronavírus, onde a população convive sem máscaras e assiste ao desenrolar...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.