Portal de Angola
Informação ao minuto

Risco de guerra nuclear agora é mais alto desde a 2.ª Guerra Mundial

(DR)

O risco de uso de armas nucleares é o maior desde a Segunda Guerra Mundial, disse um especialista em segurança da ONU na terça-feira, chamando-o de uma questão “urgente” que o mundo deveria levar mais a sério.

De acordo com a Reuters, Renata Dwan, directora do Instituto das Nações Unidas para Pesquisa de Desarmamento (UNIDIR), disse que todos os estados com armas nucleares têm programas de modernização nuclear e que o cenário de controle de armas está a mudar, em parte devido à competição estratégica entre a China e os Estados Unidos.

Os arranjos tradicionais de controlo de armas também estão a ser transformados em função do surgimento de novos tipos de guerra, com o aumento da prevalência de grupos armados e forças do sector privado e novas tecnologias que obscurecem a linha entre ataque e defesa, disse.

Com as negociações de desarmamento paralisadas nas últimas duas décadas, 122 países assinaram um tratado para proibir armas nucleares, em parte por frustração e em parte por um reconhecimento dos riscos.

“Eu acho que é genuinamente um chamado para reconhecer – e isso tem faltado um pouco na cobertura da mídia sobre as questões – que os riscos de guerra nuclear são particularmente altos agora, e os riscos do uso de armas nucleares, para alguns dos factores que eu apontei, são maiores agora do que em qualquer momento desde a Segunda Guerra Mundial ”.

O tratado de proibição nuclear, oficialmente chamado de Tratado para a Proibição de Armas Nucleares, foi apoiado pela Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN), que ganhou o Prémio Nobel da Paz em 2017.

Até agora, o tratado reuniu 23 das 50 ratificações necessárias para entrar em vigor, incluindo a África do Sul, Áustria, Tailândia, Vietname e México. É fortemente contestada pelos Estados Unidos, Rússia e outros estados com armas nucleares.

Cuba também ratificou o tratado em 2018, 56 anos após a crise dos mísseis cubanos, um confronto de 13 dias entre Moscovo e Washington, que marcou o mais próximo que o mundo já chegou da guerra nuclear.

Dwan disse que o mundo não deve ignorar o perigo das armas nucleares.

“Como pensamos sobre isso, e como agimos com base no risco e na gestão desse risco, parece-me uma questão bastante significativa e urgente que não está totalmente refletida no Conselho de Segurança (ONU)”, disse ela.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »