- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo EUA Risco de guerra nuclear agora é mais alto desde a 2.ª Guerra...

Risco de guerra nuclear agora é mais alto desde a 2.ª Guerra Mundial

O risco de uso de armas nucleares é o maior desde a Segunda Guerra Mundial, disse um especialista em segurança da ONU na terça-feira, chamando-o de uma questão “urgente” que o mundo deveria levar mais a sério.

De acordo com a Reuters, Renata Dwan, directora do Instituto das Nações Unidas para Pesquisa de Desarmamento (UNIDIR), disse que todos os estados com armas nucleares têm programas de modernização nuclear e que o cenário de controle de armas está a mudar, em parte devido à competição estratégica entre a China e os Estados Unidos.

Os arranjos tradicionais de controlo de armas também estão a ser transformados em função do surgimento de novos tipos de guerra, com o aumento da prevalência de grupos armados e forças do sector privado e novas tecnologias que obscurecem a linha entre ataque e defesa, disse.

Com as negociações de desarmamento paralisadas nas últimas duas décadas, 122 países assinaram um tratado para proibir armas nucleares, em parte por frustração e em parte por um reconhecimento dos riscos.

“Eu acho que é genuinamente um chamado para reconhecer – e isso tem faltado um pouco na cobertura da mídia sobre as questões – que os riscos de guerra nuclear são particularmente altos agora, e os riscos do uso de armas nucleares, para alguns dos factores que eu apontei, são maiores agora do que em qualquer momento desde a Segunda Guerra Mundial ”.

O tratado de proibição nuclear, oficialmente chamado de Tratado para a Proibição de Armas Nucleares, foi apoiado pela Campanha Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN), que ganhou o Prémio Nobel da Paz em 2017.

Até agora, o tratado reuniu 23 das 50 ratificações necessárias para entrar em vigor, incluindo a África do Sul, Áustria, Tailândia, Vietname e México. É fortemente contestada pelos Estados Unidos, Rússia e outros estados com armas nucleares.

Cuba também ratificou o tratado em 2018, 56 anos após a crise dos mísseis cubanos, um confronto de 13 dias entre Moscovo e Washington, que marcou o mais próximo que o mundo já chegou da guerra nuclear.

Dwan disse que o mundo não deve ignorar o perigo das armas nucleares.

“Como pensamos sobre isso, e como agimos com base no risco e na gestão desse risco, parece-me uma questão bastante significativa e urgente que não está totalmente refletida no Conselho de Segurança (ONU)”, disse ela.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.