Portal de Angola
Informação ao minuto

Juristas questionam seriedade do julgamento de Manuel Chang em Moçambique

(DR)

VOA | Ramos Miguel

Horas depois do ministro da Justiça e dos Serviços Correlacionais da África do Sul ter decidido extraditar o antigo ministro moçambicano das Finanças, Manuel Chang para o seu país, ao invés de o fazer para os Estados Unidos, como solicitou a justiça americana, juristas moçambicanos afirmaram que a Assembleia da República deve encetar diligências para a retirada da imunidade parlamentar do ainda deputado da Frelimo.

Eles suportam que, caso contrário, se ele chegar ao Aeroporto de Maputo e dirigir-se à sua casa será um duro golpe para a justiça moçado país.

Nos termos da Constituição da República, os deputados apenas podem ser detidos em flagrante delito e, relativamente a Manuel Chang, o Ministério Público solicitou apenas que ao deputado fosse imposta a medida de coação máxima, que é a prisão preventiva.

“E será por isso que quando Manuel Chang voltar para Moçambique “vamos vê-lo a passear pela cidade, porque não há base legal para levá-lo à cadeia, sem antes levantar a sua imunidade”, realçou o jurista Tomás Vieira Mário.

Por seu turno, o jurista José Machicame entende que Chang não pode ser julgado nem pode haver outros actos antes de a sua imunidade ser levantada.

“O que poderá acontecer é assistirmos, nos próximos dias, a diligências céleres por parte da Assembleia da República, para a retirada da imunidade dele porque já foi pedida pela justiça. O que tenho ouvido é que ele será detido, mas depois sair em liberdade até que seja levantada a imunidade dele pelo Parlamento”, destacou aquele jurista.

Na opinião daquele especialista, o Parlamento devia ter encetado diligências para ouvir Manuel Chang ainda na África do Sul, porque não se pode retirar a imunidade sem ele ser ouvido devido ao princípio do contraditório.

Machicame afirmou ainda que o Parlamento, através de cartas rogatórias, podia ter solicitado a audição de Chang, na África do Sul, de modo a permitir que logo que ele chegasse cá fosse detido e não houvesse essa ilegalidade porque se ele for detido à chegada ao aeroporto, essa detenção é ilegal”.

Contudo, o jurista Job Fazenda diz que é possível Manuel Chang ser detido e julgado não só pelo crime das dívidas ocultas de que é acusado como também por outros, uma vez que o Parlamento moçambicano ainda está reunido, e a Procuradoria-Geral da República, quererá aproveitar esta circunstância.

Entretanto, há um sentimento, quase generalizado, de que o ex-ministro das Finanças devia ser julgado nos Estados Unidos, um sentimento que tem a ver com o descrédito que há em relação à justiça moçambicana.

Para o antigo bastonário da Ordem dos Advogados de Moçambique, Gilberto Correia, a justiça moçambicana “não está preparada para julgar crimes de colarinho branco da dimensão dos que são imputados ao antigo ministro das Finanças”.

O analista Laurindos Macuácua não acredita num julgamento sério, e diz ser isso que alimenta a descrença e a vontade que as pessoas têm manifestado de ver este julgamento a acontecer nos Estados Unidos.

Por seu turno, Francisco Matsinhe considera que se o julgamento for nos Estados Unidos, há garantias de termos um julgamento sério e permitirá que Manuel Chang diga tudo o que sabe sobre as dívidas ocultas, o que poderá não acontecer se o julgamento for em Moçambique, porque ele estará perto doutras pessoas poderosas envolvidas no esquema.

Matsinhe é da opinião que os americanos não vão deixar morrer o caso Manuel Chang, “eles têm o direito ao recurso, e eles vão recorrer”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »