Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

BNA reduz número de entidades externas gestoras das RIL

(Foto: Vigas da Purificação)

Segundo a Angop, o Banco Nacional de Angola (BNA) reduziu em 2018 o número da entidades externas gestoras das Reservas Internacionais Líquidas (RIL), o que permite agora ao Banco Central gerir 90% das mesmas, informou hoje o seu administrador, Miguel Miguel.

Antes de 2017, de acordo com o administrador, o BNA tinha um portfólio de activos, com grande parte das reservas internacionais, na ordem de 30% geridas por entidades externas.

Ao falar nesta quarta-feira no Ciclo Anual de conferências do BNA, com o tema “Sustentabilidade das Reservas Internacionais”, o gestor avançou estar prevista outra redução ainda este ano, para que esses activos sob gestão de entidades externas seja apenas de 10 por cento, ao contrário dos actuais 12%.

Quanto à sustentabilidade das reservas, referiu haver um “declínio” das reservas internacionais líquidas do País, em parte devido às oscilações do preço do petróleo no mercado internacional.

As reservas brutas estão avaliadas em 16 mil milhões de dólares norte-americanos, enquanto as líquidas fixadas em USD 10 mil milhões.

A redução das reservas deve-se ao aumento da demanda por receitas cambiais, para fazer face às importações.

“Com o nível de reserva que temos hoje e com o nível de demanda que verificamos no mercado, particularmente para as importações, chegamos a conclusão que, se assim continuarmos, não será sustentável”, advertiu.

Para inverter o quadro, ou seja, para que as reservas sejam sustentáveis, o responsável defende a necessidade no investimento na produção nacional e a consequente diversificação da economia.

Alertou que se as importações continuarem nos níveis actuais e não for feita uma aposta na produção interna, as reservas internacionais líquidas não serão suficientes, para fazer face o nível de demanda que se verifica hoje.

Grande parte destas reservas líquidas está em títulos do tesouro americano (facilmente convertíveis), depósitos aprazo e a ordem.

Em dois painéis, o Ciclo de Conferências do BNA abordou temas ligados às melhores práticas de gestão das reservas internacionais e as soluções para sustentabilidade das reservas líquidas com base nas experiências dos bancos centrais de Moçambique, Namíbia e Brasil.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »