Portal de Angola
Informação ao minuto

Quem é Sylvestre Ilunkamba, o novo primeiro-ministro da RDC?

Nomeação de Ilunkamba estava prevista no acordo feito entre Felix Tshisekedi (dir.) e o seu antecessor, Joseph Kabila (DR)

Aliado do ex-Presidente Kabila e ex-ministro de Mobutu, Sylvestre Ilunga Ilunkamba acaba de ser nomeado primeiro-ministro. Desconhecido pela maioria dos congoleses, o septuagenário promete dedicar-se ao setor social.

De acordo com a DW África, quase quatro meses depois de ter tomado posse, o Presidente da República Democrática do Congo (RDC), Felix Tshisekedi, nomeou esta segunda-feira (20.05) Sylvestre Ilunga Ilunkamba, um veterano do governo, para o cargo de primeiro-ministro, em substituição de Bruno Tshibala, que tinha sido nomeado por Joseph Kabila em 2017.

A nomeação de Ilunkamba já estava prevista no “acordo político” feito entre Felix Tshisekedi e o seu antecessor, Joseph Kabila, “para a criação de um governo de coligação”, disse o porta-voz da presidência, Kasongo Mwema Yamba Yamba.

Em declarações à imprensa no final de um encontro com Tshisekedi, Sylvestre Ilunga Ilunkamba agradeceu a Kabila, que o propôs como primeiro-ministro, pela “confiança” e anunciou como prioridades “o setor social, a educação, a saúde, a segurança e a paz.”

Um veterano desconhecido

Natural da antiga província de Katanga, Sylvestre Ilunga Ilunkamba, de 73 anos, era até agora diretor-geral da Empresa Nacional de Caminhos de Ferro (SNCC). Antes disso foi diretor-geral do Comité Nacional de Reformas das Empresas Públicas (COPIREP).

Com uma carreira política de quase 40 anos, iniciada na década de 1970, Ilunkamba foi conselheiro de Mobutu Sese Seko – ditador deposto em 1997 – e várias vezes ministro, entre 1980 e 1987. É doutorado em economia pela Universidade de Kinshasa.

Há quem descreva o novo primeiro-ministro como “um tecnocrata”. Mas o deputado Pius Muabilu, da Frente Comum para o Congo (FCC), a coligação de Joseph Kabila, define-o como uma figura conciliatória e “um homem muito experiente”.

Apesar de ser um veterano do Governo, o septuagenário próximo de Joseph Kabila é um desconhecido para a maioria dos congoleses, especialmente para os jovens, que esperam do novo primeiro-ministro mudanças que tenham impacto no seu quotidiano.

A sua gestão dos Caminhos de Ferro, uma empresa que enfrenta sérias dificuldades financeiras, também tem levantado dúvidas sobre a sua capacidade de enfrentar os desafios económicos da RDC. Para Yves Kitumba, porta-voz da coligação da oposição Lamuka, esta nomeação significa “a continuidade do regime da FCC, que continua com a sua má gestão.”

O maior desafio do novo primeiro-ministro será agora manter o equilíbrio entre a coligação FCC, formada por mais de 18 grupos políticos, e a Coligação para a Mudança (Cash), do Presidente Tshisekedi.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »