Portal de Angola
Informação ao minuto

Empresários apelam à mobilização para adiar o IVA

MESA REDONDA SOBRE O IVA (DR)

Expansão

Filomena Oliveira diz que o País está a ir para o IVA “despreparado”, José Severino sugere a entrada em vigor do novo imposto só em 2020 para garantir o “sucesso” e os contabilistas apontam a excessiva informalidade como obstáculo.

Dirigentes empresariais, empresários e contabilistas defenderam, esta semana, o adiamento da implementação do Imposto Sobre o Valor Acrescentado (IVA), que entra em vigor, no dia 1 de Julho, obrigatoriamente, para os sujeitos passivos registados na Repartição Fiscal dos Grandes Contribuintes.

Filomena Oliveira, vice-presidente da Confederação Empresarial de Angola (CEE), desafiou, na terça-feira, os empresários angolanos a unirem-se para ir à 5.ª Comissão da Assembleia Nacional dizer que o País não está preparado para o IVA e, dois dias depois, José Severino, presidente da Associação Industrial Angolana (AIA), propôs o adiamento da entrada em vigor do novo imposto.

“Tenhamos juízo que Roma e Pavia não se fizeram num dia. Propomos, sim, que trabalhemos juntos e não desgarradamente, como hoje, para que entre em vigor em Janeiro de 2020 para termos um projecto de sucesso, pois não vá a meio do caminho haver falta de combustível”, afirmou Severino, no programa Vector, da LAC.

A empresária do Cunene, Filomena Oliveira, aproveitou um seminário da Ordem dos Contabilistas e dos Peritos Contabilistas de Angola (OCPCA), para fazer eco dos receios do tecido empresarial, argumentando que o País está a ir para o IVA “despreparado”, sem avaliar o impacto nas empresas, sem atender ao contexto específico de Angola e sem recursos.

“Vamos pedir a uma vaca desnutrida para vir parir um bezerro, porque daqui a quatro anos temos de ter um País cheio de dinheiro?”, questionou a empresária, recusando a ideia de que as empresas têm de suportar o peso de um “Estado gordo e obsoleto, cheio de gente que não produz e que obriga as empresas a despedir sistematicamente”.

O argumento apresentado por Adilson Sequeira, coordenador do Grupo Técnico para a Implementação do IVA, de que só os grandes contribuintes estão obrigados a facturar o IVA a partir de 1 de Julho não demove Filomena Oliveira, que criticou a “tributação presuntiva” do Código do IVA. A empresária lembrou que, no passado, “o imposto industrial antecipado foi introduzido só para as empresas que não eram residentes fiscais, mas, depois, por arrasto, foram as outras também”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »