Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Sindicato e Associação Industrial de Angola com leituras diferentes sobre legalização de informais

Taxistas, vendedores ambulantes e empregadas domésticas vão ver situação regularizada (DR)

VOA | Manuel José

O Governo angolano quer incluir no mercado formal taxistas, empregadas domésticas e vendedores ambulantes de rua.

A iniciativa visa também aumentar as receitas do Estado com os impostos dessa franja de trabalhadores, revelou o secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Manuel Moreira.

Uma medida pouco simpática para os sindicalistas, mas aplaudida pela Associação Industrial Angolana.

Apenas com o sector dos taxistas, diz o Executivo, o Estado deixa de arrecadar cerca de um milhão de dólares em impostos, o que, para o Governo, é motivo para “legalizar” essa franja de trabalhadores.

Francisco Jacinto, da CG SILA, não recebe a ideia de bom grado.

“Com esta política o Governo quer apenas aproveitar-se do que as pessoas fazem e não resolver os problemas desses trabalhadores, se as pessoas que trabalham formalmente estão em situação caótica, imagine os que estão no informal, como é que vão resolver o problema deles?”, indaga Jacinto, para quem “a única coisa que o Executivo quer é ir buscar o dinheiro, usar estas pessoas para continuarem a resolver os problemas de um grupo de pessoas”.

Gregório Camuenji, da Associação de Taxistas Nova Aliança, considera de extemporânea a medida.

“É uma forma muito injusta de pensar e agir do Governo, os taxistas por exemplo não têm qualquer problema em pagar impostos, mas a questão é como legalizar a classe?”, pergunta Camuenji.

Por seu lado, o presidente da Associação Industrial Angolana (AIA) José Severino, diz que a medida já devia ter sido implementada há mais tempo.

“Cada um dos empregadores tem que dar os nomes à segurança social porque é muito injusto e abominável que empregadores não coloquem os seus empregados na segurança porque dessa forma eles passam a ser contribuintes fiscais desde que o salário seja conforme parâmetros oficiais”, defende Severino.

A medida está inserida no Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), aprovado a 21 de Abril passado pelo Presidente angolano, João Lourenço, que disponibilizou 66 milhões de dólares para promover o emprego”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »