Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Há muito espaço para Angola e EUA fortalecerem as suas relações, dizem analistas angolanos

25 anos após estabelecimento de relações diplomáticas Washington e Luanda dão prioridade a "parceria estratégica" (DR)

VOA

Vinte e cinco anos depois dos Estados Unidos e Angola terem estabelecido relações diplomáticas há grandes oportunidades para uma maior ligação económica e financeira entre os dois países, disseram dois especialistas angolanos.

Nos primeiros 19 anos da independência de Angola, os Estados Unidos não reconheceram o governo de Luanda e durante a guerra civil deram grande apoio à UNITA.

O reconhecimento veio só em 1993 e a embaixada americana foi aberta em 1994.

Desde então as relações entre os dois países têm vindo a melhorar e Washington considera agora Angola “como um parceiro estratégico” algo que o economista Angola Jonuel Gonçalves considera ser também a posição das autoridades de Luanda vis-a-vis Washington.

O economista disse não poder haver qualquer dúvida sobre essa posição do governo angolano fazendo notar que “a grande preocupação do governo angolano é 1) não contrariar os Estados Unidos, 2) ter a aprovação dos Estados Unidos em termos políticos, 3) garantir que os Estados Unidos do ponto de vista económico e financeiro apoiam Angola.

Jonuel Gonçalves fez notar que a polícia federal americana, o FBI, está pronta a colaborar com Angola na apreensão de fundos levados para fora de Angola como resultado de operações ilegais.

“As indicações que há em Luanda é que o FBI se está a preparar para fazer uma investigação nesse sentido sobre aquele dinheiro que foi desviado e que de alguma forma teve contacto delituoso com os Estados Unidos”, disse.

Gonçalves fez notar que “Angola precisa vários mil milhões de dólares” para investir e diversificar a sua economia.

Interrogado sobre o facto da China ser o principal parceiro económico de África e de Angola, Jonuel Gonçalves fez notar que a dívida angola é de cerca de 21 mil milhões de dólares.

“Não é aconselhável aumenta-la, de maneira nenhuma”, disse o economista que frisou que apesar da China oferecer juros mais baixos que os mercados de capital “neste momento Angola não tem condições de pagar”.

Já o analista angolano Augusto Báfua Báfua considera que as relações entre Washington e Luanda conheceram um enorme desenvolvimento devido ao empenho dos dois lados, com uma forte aposta de empresas americanas no sector do petróleo, enquanto o governo americano ajudou muito no campo social, como, por exemplo, através do programa de luta contra a Sida.

Báfua Báfua, entretanto, acredita que o campo para uma maior e diversificada presença de investidores americanos é enorme fazendo notar que em comparação com a África do Sul ou a Nigéria “Angola ainda é virgem”

O analista concordou que desde a administração Obama os estados Unidos têm vindo a abrandar a pressão sobre as autoridades angolanas nas questões de direitos humanos mas sublinhou que as autoridades angolanas “teve grande melhoria na questão dos direitos humanos”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »