Portal de Angola
Informação ao minuto

Centenas de obras estão paralisadas desde 2012 no Cuando Cubango

Gestores públicos no Cuando Cubango lesaram o Estado e muitas obras ficaram paradas (Fotografia: Edições Novembro)

Centenas de obras de impacto social encontram-se paralisadas, desde 2012, na província do Cuando Cubango, a maior parte das quais por desvio de fundos por parte dos gestores, soube o Jornal de Angola de fonte do Serviço de Investigação Criminal.

O porta-voz do SIC, inspector-chefe Anderson Domingos Luhami, disse ao Jornal de Angola que no Cuando Cubango existem muitas obras sociais abandonadas, desde 2012, nas quais os infractores de forma deliberada continuaram a emitir ordens de saque, para supostamente continuarem com os trabalhos, mas na verdade o dinheiro era usado para fins pessoais.

Encontram-se paralisadas as obras dos pólos Universitário e Industrial de Menongue, o Hospital Sanatório, os hospitais municipais do Cuíto Cuanavale, Dirico, Calai, Cuangar e do Rivungo, ampliação do Hospital Pediátrico de Menongue, o Estádio Municipal de Futebol, bem como o parque rodoviário.

Estão igualmente paralisadas as obras de construção e reabilitação de 54 escolas de quatro, seis, oito, dez e 12 salas de aula nos municípios de Menongue, Mavinga, Rivungo, Calai, Dirico, Nancova, Cuito Cuanavale, Cuchi, Cuangar e Dirico, que têm como objectivo tirar milhares de crianças que se encontram fora do sistema de ensino e aprendizagem daquelas localidades.

As obras de quatro edifícios de 32 apartamentos cada, erguidos na cidade de Menongue, a estrada de dois quilómetros na sede municipal do Cuchi, Mercado Municipal de Menongue e dos centros de saúde da aldeia do Lumeta, Lilunga, Lihuenje, Tungombe e do bairro Benfica, também estão paralisados.

Destaque ainda para as obras do lar da terceira idade, no bairro Kavikiviki, a reabilitação e ampliação do edifício da Televisão Pública de Angola (TPA), a Administração Municipal, residência do administrador de Menongue, a esquadra da Policia na sede municipal do Calai e um posto policial no bairro Castilho.

No âmbito da construção de 200 fogos habitacionais, estão paralisadas as obras de 20 residências do tipo T-3 no bairro Tucuve, 15 na comuna do Missombo, três na comuna do Caiundo e a residência oficial do governador, 100 casas do tipo T-3 na sede municipal do Cuito
Cuanavale, 15 na comuna do Cujamba e igual número no Licua (Mavinga).

Estão ainda entre obras suspensas, as 65 residências em Nancova, 30 na comuna de Xamavera e 15 no Mucusso (Dirico), 15 casas do tipo T-3, na comuna do Mawé, e o mesmo número no Mavengue (Calai), 25 na comuna da Jamba e dez no Bico de Angola (Rivungo).

Devido a esta situação, o SIC desmantelou uma rede de criminosos que operava no edifício sede do Governo do Cuando Cubango, cujo “modus operandi” consistia na emissão de ordens de saque para o pagamento de obras inacabadas e que eram usadas como lavras.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »