Portal de Angola
Informação ao minuto

Como está a democracia em Angola?

Politólogo Issau Agostinho (DR)

VOA | Danielle Stescki

Em entrevista à Voz da América, o cientista político Issau Agostinho explicou que em Angola existem vários processos democráticos, no centro dos quais figura a província de Luanda.

“Muitas vezes confundimos a abertura que Luanda tem com o resto do país”.

Agostinho citou, por exemplo, que a liberdade de imprensa e o respeito aos direitos civis e políticos dos cidadãos são tratados de forma diferente em outras províncias.

Em casos específicos, o especialista disse que há uma necessidade de um empenho maior para que se tenha uma certa igualdade entre os processos democráticos.

Ele citou diversos exemplos de desigualdades no processo, destacando a seca no sul de Angola, e como ela de certa forma viola os direitos económicos e sociais dos angolanos.

“A lentidão da resposta para este assunto é reflexo do grau de respeitabilidade e aplicação dos direitos civis e políticos angolanos”.

Em Luanda e Benguela, Agostinho considerou o processo encorajador, sobretudo no que diz respeito ao discurso político que começa a ser assumido no país.

De qualquer forma, o especialista classificou o processo de democratização em Angola como irreversível. E acrescentou que isso é resultado da força de vários movimentos e dos próprios partidos políticos, tanto do governo como da oposição.

Agostinho mencionou uma análise da organização não-governamental Afrobarómentro, que publica estudos de opinião sobre democracia e boa governação em mais de 35 países, e que constatou que 42% dos africanos demandam a democracia.

“Quer dizer, já há um nível muito elevado de consciência democrática dos próprios africanos”.

A democratização de Angola é o tema de uma obra que ele irá lançar esta semana em Luanda.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »