Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Raul Araújo desiste do concurso público para a escolha do presidente da CNE

DR. RAÚL CARLOS VASQUES ARAÚJO (DR)

O juiz conselheiro do Tribunal Constitucional, Raul Araújo, anunciou em Luanda, a sua desistência do concurso público curricular para a escolha de um juiz conselheiro da Comissão Nacional Eleitoral (CNE).

Numa declaração pública, escreve o JA, o magistrado justificou a decisão com o fundamento de que “não me rever em jogadas opacas e desonestas que, em última instância, vão pôr em causa o funcionamento da CNE e os processos eleitorais que este órgão tem o dever de organizar”.

O académico afirmou que o concurso público curricular para a escolha do presidente da CNE está a decorrer “com muito pouca transparência e equidistância do júri, com o intuito claro de favorecer um dos candidatos” sem citar quem é o concorrente em causa.

O jurista disse que, depois de apresentar a sua candidatura, começaram a surgir “um conjunto de situações que mostram que tudo se está a fazer para que eu não participe no processo”.

“Primeiro, com condicionantes que o júri do concurso colocou à minha candidatura, onde se chegou ao absurdo de exigir que eu tivesse de apresentar comprovativos de estudos, quando os apresentei atempadamente, depois, com a exigência de justificar se eu era ou não magistrado judicial”, lê-se na nota.

Raul Araújo declarou que a obrigação de justificar a sua função de magistrado revelou uma “intenção deliberada de se pôr em causa o meu bom nome e levantar-se a dúvida sobre a minha qualificação académica e científica quando é do conhecimento público que sou professor catedrático da Universidade Agostinho Neto, desde 2011, e que concluí a minha licenciatura na Faculdade de Direito da referida universidade no ano lectivo de 1987-1998, que terminei o mestrado na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em 1996, e o doutoramento na mesma instituição, em 2009″.

Ainda assim, o jurista disse que apresentou ao júri do concurso a sua reclamação com documentos de suporte que justificavam o seu ponto de vista sobre a matéria, mas ” verificou que o processo da sua candidatura atingiu proporções tais que punham em causa o futuro funcionamento da CNE e, em consequência, as relações autárquicas de 2020, assim como as eleições gerais de 2022″.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »