Portal de Angola
Informação ao minuto

Reposta normalidade na emissão de BI no Sequele

(DR)

Os constrangimentos causados, na terça-feira e ontem, aos utentes que procuraram pelos serviços do Posto de Identificação Civil e Criminal do Distrito do Sequele foram superados, o que permitiu atender um número superior ao que tem sido registado diariamente.

O Jornal de Angola constatou, ontem, no local, que o atendimento regressou à normalidade, depois de superado um problema eléctrico que obrigou muitos utentes a regressar a casa, sem que, no entanto, tivessem conseguido tratar os documentos que os levou até ao posto de identificação.

Na manhã de terça-feira, várias sobrecargas provocaram interrupções na energia devido à infiltração de água nos cabos eléctricos. Algunas cidadãos foram atendidos, enquanto outros se dispersaram. O mesmo cenário repetiu-se até às 12 horas de ontem, tendo sido reposta a normalidade uma hora e 30 minutos depois, após substituição do quadro eléctrico.

A reposição da energia e o arranque do sistema informático, usado para a colheita de dados dos utentes, possibilitou atender mais de 200 pessoas, entre os utentes que levantaram os bilhetes de identidade e registo criminal, e 180 que se dirigiram ao posto para solicitar novos documentos.

O posto atende diariamente, de segunda a sexta-feira, entre 70 e 80 cidadãos para a obtenção do Bilhete de Identidade e emite pelo menos 60 certificados de Registo Criminal.

Ainda assim, o Jornal de Angola verificou que houve alguma morosidade no atendimento. A chefe do posto disse que devido ao sucedido, os funcionários do posto foram orientados a atender os utentes que receberam as fichas e que não foi possível inserir os dados no sistema.

Ivete Baião referiu, ainda, que dentre os atendidos constam gestantes, idosos, crianças, pessoas que padecem de deficiência física e militares, por terem prioridade.

A responsável disse que a demora se deveu ao sistema informático, cuja restauração carece de tempo após o restabelecimento da energia.

Sobre as pessoas que marcam lugares a partir das 5 horas da manhã, Ivete Baião considerou desnecessário, pelo facto de o atendimento ser feito das oito às 15h00. De acordo com a responsável, o sistema de atendimento respeita o sistema de marcação de lugares, mas “os utentes sacrificam-se, pernoitando, chegando inclusive a correr riscos de vida, o que é mau”.

Com uma satisfação adiantou que os serviços naquele posto são muito procurados e atendem cidadãos de várias partes da província de Luanda.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »