Portal de Angola
Informação ao minuto

Paulo Portas faz campanha

Paulo Portas (DR)

A menos de duas semanas das eleições europeias, que se realizam no dia 26 de maio, os partidos apostam forte na campanha e chamam os pesos-pesados para ajudar a conquistar votos. Paulo Portas vai juntar-se à campanha do CDS. Francisco Assis, Ferro Rodrigues e Mário Centeno vão aparecer ao lado de Pedro Marques, escreve o Sol.

Paulo Portas, que liderou o CDS durante 18 anos, vai fazer campanha ao lado de Nuno Melo nos próximos dias. Mesquita Nunes, ex-vice-presidente do partido, e Nuno Magalhães, líder parlamentar, também vão ajudar o partido a lutar pela eleição de dois eurodeputados, ou seja, mais um do que tem atualmente.

Pires de Lima participou ontem numa ação de campanha no mercado de Cascais e atacou o Governo por “promover uma política de promiscuidade na ocupação de cargos públicos”. O ex-ministro da Economia, que acompanhou o cabeça-de-lista, lembrou a polémica com as ligações familiares no Governo socialista e defendeu que “nem em ditadura tínhamos assistido a um Governo que tem pai e filha, marido e mulher, além de amigos”.

Do lado dos socialistas, António Costa está cada vez mais presente na campanha, mas começam a aparecer outros nomes com peso no partido. Jorge Coelho, que está fora da política ativa, participou no almoço que marcou o arranque da campanha oficial num comício em Mangualde.

Assis na campanha do PS

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e o eurodeputado Francisco Assis são as apostas do PS para os últimos dias de campanha. O ex-líder do partido estará no tradicional almoço da Trindade, no encerramento da campanha. Assis, que foi cabeça-de-lista há cinco anos e contestou desde o início a aliança entre a geringonça, aceitou participar na descida da Rua de Santa Catarina, no Porto, e num comício em Matosinhos, no penúltimo dia da campanha dos socialistas.

PSD e CDS responderam às acusações feitas por António Costa. Num comício em Faro, na terça-feira à noite, o secretário-geral do PS acusou os adversários de “fazerem campanhas sujas e negras com perfis falsos nas redes sociais para atacarem e denegrir os adversários”.

Pedro Marques também fez um discurso violento contra os adversários e acusou Rangel de utilizar “a dor das pessoas” afetadas pelos incêndios em 2017. “Uns metem a mão na massa, outros sobrevoam as dificuldades, espreitando a possibilidade de arrebanhar uns votos fáceis”, afirmou Pedro Marques.

Rangel pede serenidade

Em resposta às críticas, Paulo Rangel pediu “serenidade e elevação para combater a abstenção” e rejeitou que só o PS possa falar sobre os incêndios – um tema em que insistiu durante a tarde de ontem para acusar o Governo de “incompetência e negligência” na gestão dos meios aéreos. “Mais de metade da frota que devia estar disponível no dia 15 de maio não está. E não está por razões burocráticas e procedimentais, porque o Governo acordou tarde”, afirmou.

O cabeça-de-lista do CDS, Nuno Melo, justificou as críticas dos socialistas com o nervosismo por causa do resultado eleitoral. “Eu percebo que quem parte alavancado em sondagens, achando que as sondagens são urnas, e percebe que as coisas não estão a correr bem fique nervoso”, disse o candidato centrista, que desejou a António Costa “que tenha uma campanha tranquila e perceba que há mais vida além da política”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »