Portal de Angola
Informação ao minuto

Justiça bloqueia 60 milhões de empresa alemã por desastre em Brumadinho

(ANTONIO LACERDA / EFE)

A justiça ordenou nesta quarta-feira o bloqueio de 60 milhões de reais da empresa alemã Tüv Süd, encarregada de certificar a estabilidade da barragem de Brumadinho, devido a sua suposta responsabilidade no desastre que deixou 238 mortos e 32 desaparecidos em janeiro.

A decisão, em caráter liminar, foi assinada pela juíza Perla Saliba Brito, da comarca de Brumadinho (na região metropolitana de Belo Horizonte) e decreta a indisponibilidade de bens, direitos e valores das empresas TÜV SÜD Bureau de Projetos e Consultoria e TÜV SÜD SFDK Laboratório de Análise de Produtos -braços do grupo alemão no Brasil-, segundo o tribunal.

A magistrada também decretou a suspensão das atividades referentes a análises, estudos, relatórios técnicos e qualquer outro serviço semelhante com segurança de estrutura de barragem, além de trabalhos como auditoria, análise e certificação de sistemas de gestão ambiental.

Perguntada pela AFP, a empresa não se manifestou até o momento sobre a decisão.

A Tüv Süd foi a encarregada de certificar a estabilidade da barragem 1 da mina Córrego do Feijão, propriedade da Vale, que rompeu no dia 25 de janeiro gerando um mar de lama e de resíduos de mineração destruindo quilômetros por onde passou.

O desastre deixou 238 mortos e 32 desaparecidos, a maioria trabalhadores da mina, propriedade da Vale.

Poucos meses antes, em setembro de 2018, um dos engenheiros geotécnicos da Tüv Süd certificou a estabilidade da barragem no relatório enviado às autoridades. Para a juíza de Brumadinho essa avaliação não foi transparente, já que los próprios documentos anexados demostravam que a situação era “crítica”.

Segundo a magistrada, há “indícios de que funcionários da Tüv Süd, em diversos níveis hierárquicos, conscientes da situação crítica da operação, se articularam para encobrir a real situação da barragem que veio a se romper, com o objetivo de manter contratos firmados com a Vale.

Desde a tragédia, foram detidos 11 funcionários da Vale e dois da Tüv Süd, todos liberados pouco depois.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »