Portal de Angola
Informação ao minuto

Crise de combustíveis na Huíla chega à indústria

Várias empresas fecham~ram as portas temporariamente (DR)

VOA

A crise de combustíveis na província angolana da Huíla prossegue e agora, para além das viaturas de particulares, chegou à indústria.

O presidente de direcção da Associação Agro-pecuária, Comercial e Industrial da Huíla, Paulo Gaspar, diz mesmo que a escassez de combustível forçou algumas empresas locais a reduzir a produção para cerca de 50 por cento.

Gaspar, que afirma temer o pior, faz notar que várias empresas viram-se obrigadas a fechar temporariamente as portas, com os sectores da construção civil, indústria e os transportes como os mais afectados.

“Estamos em risco, se esta crise continuar, de mais empresas fecharem temporariamente as portas. Todas as empresas não têm acesso aos combustíveis, esse é o grande problema! Há empresários ligados ao sector dos transportes que também tiveram que paralisar os camiões por falta de combustível, mas também já está a afectar até o sector da construção civil”, denuncia.

O industrial Valdemar Ribeiro revela que a crise de combustível está a levar os empresários a sobreviverem do que chamou de “esquemas”.

O também economista alerta para o facto de a crise não ser nova e diz que ela decorre da depreciação da moeda nacional.

“É um problema que começou quando o Governo permitiu a desvalorização cambial. Esta é uma forma que o FMI propõe em geral a todos os governos, agora cada Executivo tem que ter a sabedoria de aplicá-la no seu próprio país”, explica Ribeiro, acrescentando que “as populações e as empresas não suportam uma desvalorização tão acelerada”.

Para o economista Carlos Apapa, a solução do problema do acesso aos combustíveis em Angola passa pela construção de refinarias.

“Nós não podemos permanentemente continuar a depender das importações dos combustíveis. Primeiro nós temos que ver a questão das refinarias, é prioridade é fundamental e é estratégico para o país. Temos uma vantagem comparativa, somos produtores do petróleo e se refinássemos exportaríamos aos países vizinhos”, defende Apapa, para quem este “é o ponto-chave da economia nacional”.

A escassez de combustível afecta igualmente o fornecimento de luz eléctrica no Lubango, que observa neste momento um apertado plano de restrições devido à incapacidade de geração da central termo-eléctrica da Arimba que consome milhares de metros cúbicos de gasóleo por dia.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »