Portal de Angola
Informação ao minuto

“Arroz do Povo” começa a ser distribuído aos camponeses

Continua o folhetim do arroz doado pela China à Guiné-Bissau (ISSOUF SANOGO / AFP)

VOA

O Governo da Guiné-Bissau dá início nesta quinta-feira, 16, à distribuição das 170 toneladas de arroz desviadas das instalações do Governo e que foram encontradas pela Polícia Judiciária (PJ) nas propriedades do ministro da Agricultura, Nicolau dos Santos, e o conselheiro do Presidente da República para Assuntos de Segurança Interna e Externa, Botche Cande.

A distribuição será feita por uma comissão que vai entregar o arroz aos camponeses, que se encontram em situação de precariedade alimentar, conforme pedido feito ao Governo da China.

O caso chamado de “Arroz do Povo” tem sido motivo de um conflito institucional entre a PJ e o Ministério Público, que ordenou, através de um despacho, a devolução do arroz aos suspeitos do desvio.

O Chefe do Governo, Aristides Gomes, envolveu-se, directamente, na contenda, depois de o Presidente José Mário Vaz ter afirmado, na semana passada, desconhecer o assunto, atribuindo toda a responsabilidade ao primeiro-ministro, que, por sua vez, responsabilizou o ministro do Interior, Edmundo Mendes, de ter dado ao magistrado do Ministério Público, Blimat Sanha, o suporte operacional para recuperar o arroz do armazém, onde havia sido guardado pela PJ.

A decisão do Governo “não descarta a prossecução da investigação sobre o produto”, refere uma fonte da PJ, que, entretanto, abriu um processo de investigação sobre o Magistrado do Ministério Público, encarregue do caso, Blimat Sanha.

O caso “Arroz do Povo” foi despoletado depois da PJ ter desencadeado, no final do passado mês de Março, no leste do país.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »