Portal de Angola
Informação ao minuto

AIA: Preço dos combustíveis é um “peso insustentável” para balança cambial angolana

José Severino, Presidente da AIA (Foto: Adjali Paulo - Arquivo)

O presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, considerou hoje o preço dos combustíveis como um “peso insustentável para a balança cambial do país”, afirmando que os subsídios atingiram níveis insustentáveis.

“O subsídio atingiu nível que não nos permitem ter boa saúde, não nos permitem ter melhor educação, e vamos ter que entender que o reajustamento do preço dos combustíveis não nos permite pensar de outra forma”, disse hoje José Severino, em Luanda, citado pelo NJOnline que aponta a Lusa como fonte.

Aludindo à escassez de combustível que se registou em Angola nas últimas semanas, e que deu origem à exoneração do conselho de administração da petrolífera Sonangol, referiu que tal situação “gerou quebras à economia angolana”.

“Se nós continuarmos nesse ritmo de subsídios não vamos ter dinheiro para comprar combustíveis”, referiu.

Em declarações aos jornalistas a margem do Fórum de Apoio à Reconversão da Economia Angola, organizado na capital angolana pela AIA, o responsável defendeu um “uso racional do combustível” ante ao possível ajuste dos preços.

“Agora, como é que o acerto do preço vai ser feito, uma questão é a medida de racionalidade, como é que se gasta o combustível. Temos de ser racionais no gasto dos combustíveis, temos que combater o contrabando que atinge cerca de 350 milhões de dólares/ano”, apontou.

O novo presidente do conselho de administração da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins, falou na última semana sobre a possibilidade do reajuste do preço dos combustíveis, referindo que os subsídios continuam a ser um “grande peso” nas contas da petrolífera estatal.

Para José Severino, a Agência Nacional de Petróleo e Gás deve licenciar todos os operadores do sector “para que depois haja retorno cambial e paguem impostos, portanto há quem faça fortuna”.

Em relação à temática da reconversão da economia angolana, o também economista frisou que o país vive uma “economia de crise que se arrasta há alguns anos” e no seu entender todos devem participar activamente no sentido de ajudarem o país a sair desta situação.

“Não é mais confortável ficar a dizer que há crise e não nos mexermos para sairmos dessa situação, o Governo com que temos feito concertação social pede-nos a máxima contribuição”, afirmou.

“Porque realmente é possível […] temos que olhar o tempo que o país cresceu a dois dígitos e temos que ver que naquele tempo não havia petróleo e nem havia as novas tecnologias”, acrescentou.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »