Portal de Angola
Informação ao minuto

Portugal: Angola com dois concorrentes no festival do cinema

Imagem ilustrativa (DR)

Angop

Os filmes “O mambo” e “Início do fim” concorrem na 10ª edição do Festival do Cinema Itinerante de Língua Portuguesa (FESTIn), que começa hoje, quarta-feira, em Lisboa (Portugal), nas categorias de Curta-metragem e Documentário respectivamente.

Mambo: Gíria utilizada em Angola. Significa algo, alguma coisa. Pode ser referido a um tema de assunto ou a um objecto (ex: temos de fazer um mambo juntos; que mambo é esse?).

O Mambo é um filme de acção, comédia e mistério feito na Huíla, onde os seus personagens dão vida a uma insana Odisseia de voltas e contravoltas, perseguições e revelações andando atrás de uma mala, única, especial e mágica cujo conteúdo desperta a cobiça, avidez e inveja de quem a detém e de quem a persegue. O Mambo, realizado por Nuno Barreto, representa tudo aquilo que desperta em cada um de nós a perseguição pela posse de algo e a vontade desmesurada de ter.

Nuno Barreto fundou em 2014 a produtora Huilana “Filmes Sem Futuro” (FsF), com o objectivo de elaborar experiências cinematográficas com a comunidade artística do Lubango e, em particular, com os grupos de Teatro da cidade. Desde a sua criação a FsF realizou 10 curtas-Metragens, 6 videoclipes e 12 sketches sátiro-humorísticos integrados no projecto Mbuanjaria. Os Filmes Sem Futuro participaram em 35 Festivais Internacionais de Cinema um pouco por todo o mundo.

Início do FIM (Documentário)

Realizado por Francisco Gonçalves, o filme, documentário, aborda o momento político em Angola depois das eleições em 1992, a posição da imprensa e das duas principais forças políticas (MPLA e UNITA).

Francisco Júnior Gonçalves é realizador e produtor independente. Trabalha na TPA (Televisão Pública de Angola) há mais de 20 anos, onde começou como redactor repórter, passou para operador de câmara e é actualmente director de programas.

“O Mambo” vai concorrer, na sua categoria, com o filme português “Casa Amarela”, realizado por Ana Lopes, com a co-produção Portugal/Brasil “Avesso”, de Francisco Colombo, “A viagem de Ícaro” (Brasil/Kaco Olimpio), “Bruma” (Portugal/Sofia Gachim), “Depois” (Brasil/Marcelino Quintella), “Grito” (Brasil/Luís Cassol), “Ruptura” (Portugal/Gonçalo Santos), “Quatro poetas de Maputo” (Brasil/Igor Pereira).

Concorrem ainda para a mesma categoria: “Mulher que eu era” (Brasil/Karen Suzanne), “As vezes sou pessoa, às vezes sou dinossauro” (Portugal/Rosana Soares), “Cetim Rosa” (Brasil/Isabel Melo) e “Cigarrilhas” (Portugal/Passos Zamith).

Por sua vez, “Início do Fim” compete, para melhor documentário, com os filmes “Lusofonas” (Brasil/Carolina Paiva), “Marias da sé” (Portugal/Filipe Martins), “Missão 115” (Brasil/Sivio Da-Rim), “Incerto lugar do desejo” (Brasil/Paula Trabisin), “Saudade mundão” (Brasil/Julia Hannud), “Tarrafal – Dez pancadas no carril” (Cabo Verde-Portugal/João Paradela) e o “Pequeno escritor” (Moçambique/Julio Silva).

Os filmes participantes da Selecção Oficial do FESTin, que vai decorrer de 15 a 23 deste mês, são de língua portuguesa, sendo que os filmes em concurso abrangem as categorias de longas-metragens, documentários, curtas-metragens e infanto-juvenil.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »