Portal de Angola
Informação ao minuto

Porto do Lobito: Viaturas desviadas “conduzem” a Polícia a actos de gestão danosa

Ex-administradores investigados por crime de peculato em Benguela (DR)

VOA | João Marcos

A apreensão de 45 viaturas do Porto do Lobito, na província de Benguela, em posse de pessoas estranhas à empresa, na última semana, começa a “destapar” outros casos de gestão danosa, quando o Serviço de Investigação Criminal (SIC) continua a tentar recuperar outros meios alegadamente desviados por ex-administradores.

Na empresa portuária, com uma nova direcção há quase dois anos, pede-se que as autoridades competentes olhem para a entrega, sem concurso público, de quatro rebocadores a uma entidade privada, a “Timoneiro”, que opera na área que mais factura.

De acordo com fonte ligada à investigação, outras viaturas, também luxuosas, terão sido levadas para longe da província de Benguela por familiares de ex-administradores, que responderão a processos por crime de peculato.

Prestes a avançar para o Ministério Público, a operação do SIC está na ordem do dia, mas existirão outros casos, para os quais o funcionário Ernesto Muabi, candidato a uma comissão sindical ad hoc em perspectiva, pede atenção.

“Há pessoas para as quais o Porto pagou fazendas, nós víamos geradores a saírem para estas mesmas fazendas. Afinal, vemos que a gestão era mesmo danosa. A empresa não tem uma viatura protocolar, mas há mais de 45, pagas com dinheiro do Estado, em posse de sobrinhos, filhos, primos, irmãs e cunhados de gestores do passado”, denuncia.

E foi nesse passado que Muabi, hoje satisfeito por sentir na sua empresa os ventos do combate à corrupção, quase perdeu a vida por ter feito denúncias.

“Nós vivemos situações dolorosas, quase entregámos a vida. Fomos raptados porque reivindicávamos a gestão danosa. Mas vemos que as coisas estão a mudar, a PGR e o SIC já estão a apurar os factos, estão atrás dos crimes”, lembra Muabi

Funcionários que não quiseram gravar entrevista juntam a estes dados a exploração dos rebocadores da empresa, entregues a um privado sem concurso público.

Entretanto, não há qualquer reacção do actual Conselho de Administração, presidido por Agostinho Felizardo, a propósito da apreensão das viaturas.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »