Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Esta é a verdadeira Angola!

Janísio C. Salomão (Janísio C. Salomão)

Janísio C. Salomão[1]

Angola está a viver indubitavelmente momentos ímpares na sua história. Uma Angola confrontada com a fantasmagoria e insofismável. Já não podemos tapar o sol com a peneira, é impossível. Vivemos a dizer que Angola foi um dos países que mais cresceu no mundo com taxas de até dois dígitos, quando a maioria dos países mais desenvolvidos crescia com apenas um dígito; Apregoamos que a crise internacional não nos iria afetar, porque eramos uma “economia robusta”. Até o ar que respiramos nos foi dito que “era reflexo da paz”. Uma Angola que nos foi pintada com tinta delével e com passar os anos, demos conta que este quadro começou a debotar e a imagem tornou – se fusca e aos poucos desvaneceu.

Nos pintaram uma Angola aonde os dólares circulavam a nduta*, chegando a tornar – se a principal moeda de circulação em detrimento do kwanza. Viajar é viajar, só queríamos primeira classe, classe executiva, a quem dava-se o luxo de fazer compra nas maiores lojas e shoppings, qual cartão qual quê? O que batia mesmo era pagar em cash e ainda com cabeça grande.

Os papoites** como eram apelidados cá na banda gostavam mesmo de exibir, grandes e luxos carros, altas mansões e castelos construídos em alicerces de areia, riquezas fictícias, a custa do sacrifício do erário público.

Dubai tornou – se um quarto de Angola e a Tuga*** nossa sala, era apenas dar uma curva e lá estavam os mwangolés**** a gastar, torrar pipas e pipas de massa. Quantos contentores e contentores não vinham do Dubai? Navios e navios lotados de mercadorias e carros dos mwangolés? A quem dava-se ao luxo de possuir contentores de dólares e kwanzas em casa.

De um dia para outro apercebemo-nos que, esta imagem que criamos não passou de uma mera uma ilusão, ilusão criada através dos média e discursos de que tudo estava bem, quando bem lá no fundo, sabíamos que as coisas não estavam bem. A panela de pressão de tanto tempo fechada acabou por explodir. A manta de tão curta que ficou, já não consegue cobrir o corpo todo, ou escolhemos os pés ou a cabeça. As mentiras tornaram-se em realidades, e o oculto foi revelado.

Eh! Esta é a verdadeira Angola, tudo o resto não passou de uma mera utopia. Temos muita coisa para corrigir, ou corrigimos agora e consentimos os sacríficos ou pagamos mais tarde esta moeda, comprometendo as gerações vindouras. O curioso mesmo é que temos tudo para deixarmos de ser um País ilusório, temos pessoas capazes, fantásticas e inteligentes, temos rios abundantes, terras aráveis e um potencial de recursos inigualáveis, temos apenas que deixar a banga de lado e por a mão na massa. Deixar de pensar apenas na minha barriga e pensar também na barriga e no sofrimento e dor do meu próximo. Darmos a mãos e juntos construirmos uma Angola melhor, cada um no seu lugar de trabalho, deve dar o melhor de si, colocar o seu tijolo nesta obra que se chama “Angola”. Já perdemos muito tempo a guerrear entre nós, somos mais fortes juntos do que separados, devemos ultrapassar esta nuvem carregada e tenebrosa de celeuma que nos circunda.

Angola não é, e já não será mais a mesma. Engane – se quem pensa ao contrário, estamos conscientes que a caminhada é longa e árduo trabalho temos pela frente.

___________

Glossário:

* por excesso;

**pessoas endinheiradas;

***Portugal

****Angolanos

[1] Docente Universitário, consultor de empresas e Opinion maker.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »