- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo América do Sul Amnistia pede que Tribunal de Haia investigue crimes contra humanidade na Venezuela

Amnistia pede que Tribunal de Haia investigue crimes contra humanidade na Venezuela

As práticas de repressão contra a população civil executadas pelo governo venezuelano podem constituir crimes contra a humanidade, alertou a Amnistia Internacional nesta terça-feira em um relatório que pede ao Tribunal Penal Internacional que expanda sua investigação sobre o país sul-americano.

Segundo avança a AFP, execuções extrajudiciais, mortes por uso excessivo da força, detenções arbitrárias e em massa são algumas das práticas detectadas pela Amnistia Internacional em seu relatório “Fome por justiça: crimes contra a humanidade na Venezuela”, apresentado na Cidade do México.

Esses procedimentos “constituiriam crimes contra a humanidade como parte de uma estratégia de ataque sistemático e generalizado contra pessoas consideradas dissidentes”, executados por “agentes do Estado ou terceiros que contam, pelo menos, com a aquiescência ou consentimento” dos funcionários, disse a organização com sede em Londres.

O relatório surge em meio a uma crise política decorrente da luta pelo poder, na qual o presidente Nicolás Maduro e o líder da oposição, Juan Guaidó, estão imersos.

O relatório destaca as manifestações que ocorreram de 21 a 25 de Janeiro de 2019.

Somente nesse período, pelo menos 47 pessoas morreram em 12 dos 23 estados do país no contexto dos protestos, “todos de ferimentos à bala”.

E pelo menos 39 dessas pessoas “morreram nas mãos das forças de segurança, ou de terceiros que agiram com seu consentimento”, acrescenta o texto.

Em meio aos protestos da época, acrescentou a AI, “mais de 900 pessoas foram arbitrariamente detidas em todos os estados do país, incluindo crianças e adolescentes”.

Alguns deles “foram torturados antes de sua morte”, acrescenta, observando que “o corpo policial que executou essas execuções foi a Polícia Nacional Bolivariana (PNB), principalmente por meio de sua Força de Acções Especiais (FAES)”.

No relatório, se recomenda ao TPI que estenda o exame preliminar realizado desde 2018, incorporando o pico da repressão em Janeiro, a fim de “determinar a responsabilidade criminal internacional das autoridades no mais alto nível”.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.