Portal de Angola
Informação ao minuto

Presidente de Angola aprova contrato de construção de satélite Angosat-3

Angolanos aplaudem anulação do concurso que escolheu a Telstar como quarta operadora móvel de Angola, mas exigem a demissão do ministro das Telecomunicações. (DR)

CM

O Presidente angolano, João Lourenço, aprovou o contrato comercial de construção, lançamento e colocação em órbita do satélite de observação da terra, o Angosat-3, segundo um despacho presidencial publicado no Diário da República.

No despacho 62/19, datado de 08 de maio, a que a Lusa teve hoje acesso, João Lourenço autoriza o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação angolano a assinar o contrato, bem como a tratar de “toda a documentação relacionada com o projeto em nome e em representação de Angola”.

No preâmbulo do despacho presidencial é escrito que o Angosat-3 surge no quadro da “Estratégia Espacial da República de Angola 2016-2025” e da “importância vital da utilização do espaço para fins pacíficos” para o desenvolvimento socioeconómico e o posicionamento estratégico de Angola.

“A utilização do espaço contribui de forma transversal para o desenvolvimento dos setores produtivos e não produtivos que permite uma gestão eficiente dos recursos minerais, navegação marítima e aérea, bem como para um melhor planeamento territorial, controlo e defesa das zonas transfronteiriças”, argumenta-se no documento.

No despacho presidencial não é indicado qualquer montante para a celebração do contrato para o terceiro satélite, numa altura em que a Angola aguarda pela entrega, prevista para 2021, do Angosat-2.

Em 11 de fevereiro deste ano, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias da Informação de Angola, José Carvalho da Rocha, afirmou que o Angosat-2, em construção em França, estará operacional em 2021 e custará 320 milhões de dólares (280 milhões de euros).

O novo satélite começou a ser construído em 24 de abril do 2018 pela empresa francesa Airbus, construtora que acolheu cerca de seis dezenas de técnicos angolanos, enquadrados em equipas permanentes, para acompanhar o projeto.

Sobre o desaparecimento do Angosat-1, construído e lançado na Rússia, o ministro angolano indicou então que as informações de que dispõe vão no sentido de que o satélite continuará em órbita, mas que terá deixado de transmitir sinal na altura em que fazia a rotação para alinhar os painéis solares em direção ao sol.

O primeiro satélite angolano, um investimento de cerca de 270 milhões de euros, foi projetado para sair para órbita a partir de Baikonur, no Cazaquistão, numa operação coordenada pela Roscosmos, a agência espacial russa e foi lançado para o espaço em 26 de dezembro de 2017.

Contudo, assim que entrou em órbita, houve uma pausa nos contactos com o satélite. Inicialmente, ainda se conseguiu recuperar as comunicações, que, pouco depois, seriam perdidas novamente até ao presente.

Na altura, o executivo formou perto de 50 especialistas para garantir a gestão das infraestruturas inerentes, com o objetivo de reforçar os serviços de telecomunicações africanos.

“Para nós, [o desaparecimento do Angosat-1], é caso para esquecer. Agora estamos a olhar para o Angosat-2”, afirmou então José Carvalho da Rocha.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »