Portal de Angola
Informação ao minuto

Camarões: Principal partido da oposição apela a cessar fogo no país

Neste encontro, Ni John Fru Ndi pediu também a nomeação de um mediador para resolver o conflito. (DR)

DW África

Num encontro com o primeiro-ministro camaronês, esta sexta-feira (10.05), o líder da Frente Social Democrática pediu também a libertação imediata de todos os presos políticos.

O líder da Frente Social Democrática (SDF, na sigla em inglês), Ni John Fru Ndi, e o primeiro-ministro Joseph Dion Ngute reuniram-se em Bamenda para debater soluções para os confrontos entre o exército e os separatistas anglófonos que fizeram já centenas de vítimas mortais. Neste encontro, Ni John Fru Ndi pediu também a nomeação de um mediador para resolver o conflito.

“Todos devem ser ouvidos. A Frente Social Democrática é por um debate político inclusivo sobre a crise”, afirmou Jean Robert Wafo, membro do partido, acrescentando que uma “clara e inequívoca” posição contra a divisão do país tem de ser tomada.

Numa declaração a que as agências de noticias tiveram acesso, a oposição pede “um cessar-fogo imediato” e a desmobilização de todas as forças separatistas, “a libertação imediata de todos os presos políticos detidos como parte desta crise” e a nomeação de um mediador para preparar as negociações.

Independência não é negociável

Na quinta-feira (09.05), aquando da sua chegada a Bamenda, Dion Ngute afirmou que o Governo estava pronto para o diálogo com o intuito de resolver o conflito com os separatistas, mas enfatizou, no entanto, que a independência não está em cima da mesa. O primeiro-ministro disse também que o Presidente Paul Biya está aberto à “organização de um diálogo formal para resolver a crise sócio-política”.

Actualmente, não existem canais de diálogo entre o Governo e os rebeldes.

Os confrontos entre as tropas governamentais e os separatistas anglófonos, que reivindicam a independência nas regiões Sudoeste e Noroeste dos Camarões, mataram já, desde 2017, centenas de pessoas e levaram mais de 500 mil a abandonar as suas casas.

A Human Rights Watch (HRW) denunciou, recentemente, que as autoridades camaronesas têm torturado e mantido presos e incomunicáveis vários separatistas.

O Conselho de Segurança da ONU realizará a sua primeira reunião este mês para discutir o conflito separatista do país.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »