- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Europa Lituanos escolhem no domingo novo Presidente entre nove candidatos

Lituanos escolhem no domingo novo Presidente entre nove candidatos

Os 2,4 milhões de eleitores na Lituânia são chamados às urnas no domingo para escolher entre nove candidatos o novo Presidente do país báltico e têm marcada para 26 de maio uma eventual segunda volta.

As sondagens indicam que apenas três dos nove candidatos têm hipótese de passar à segunda volta e de substituir a Presidente cessante Dalia Grybauskaite, que não se pode candidatar após cumprir dois mandatos de cinco anos.

São a antiga ministra das Finanças Ingrida Simonyte, 44 anos, apoiada pelos conservadores, o primeiro-ministro de centro-direita Saulius Skvernelis, 48 anos, e o economista independente Gitanas Nauseda, 54 anos.

Simonyte é popular entre os urbanos favorecidos, enquanto a campanha populista de Skvernelis agrada nas zonas rurais desfavorecidas. Nauseda propõe diminuir o fosso entre ricos e pobres no país com 2,8 milhões de habitantes.

Todos os candidatos, de acordo com o JN que cita a Lusa, são partidários convictos da União Europeia (UE) e da NATO, considerada uma muralha contra o vizinho russo.

A economia lituana tem crescido bem, mas os problemas da desigualdade social e da pobreza dominaram o debate público nas vésperas da primeira volta das presidenciais.

Considerada uma tecnocrata competente, Simonyte terminou a sua campanha com um comício na capital.

“Não podemos isolar Vilnius (a capital) do resto da Lituânia”, declarou, propondo reduzir o fosso económico entre zonas rurais e urbanas através da estimulação da economia e criticando os populistas que “sugerem soluções rápidas e simples, mas enganosas”.

Skvernelis, um ex-chefe da polícia de discurso franco, dirigiu a campanha aos lituanos descontentes sobretudo das áreas rurais e qualificou os rivais de “elitistas”, comprometendo-se a “lutar eficazmente contra a corrupção”, a reduzir a exclusão social e a apoiar as famílias.

Conhecido pelas suas análises económicas e não beneficiando do apoio de qualquer força política importante, Nauseda seduz os eleitores que buscam um Presidente imparcial e comprometeu-se a criar um “Estado providência”, apelando ao reforço do diálogo social.

Os lituanos viram os seus salários crescerem rapidamente — perto de 10% anualmente nos últimos dois anos -, mas a pobreza e as desigualdades de rendimentos continuam a ser as mais elevadas da União Europeia, devido nomeadamente a uma fiscalidade pouco progressiva.

Na Lituânia, o Presidente não exerce o poder político quotidiano, mas é responsável pela política externa e nomeia os ministros, os chefes militares e responsáveis da banca central, na maioria das vezes após “luz verde” do primeiro-ministro ou do parlamento.

Independente após a guerra de 1914-1918, a Lituânia foi anexada pela URSS durante a Segunda Guerra Mundial e foi o primeiro país a proclamar a sua independência em 1990, um ano antes da dissolução da União Soviética.

É membro da NATO e da UE desde 2004, tendo integrado a zona euro em 2015.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.