Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Brasil envia segunda equipa humanitária para Moçambique

Ajuda ascende a 4,1 milhões e prioriza alimentos e medicamentos (DR)

DN|Lusa

O Governo brasileiro anunciou na terça-feira o envio de uma segunda equipa humanitária para Moçambique, para prestar assistência às vítimas dos ciclones tropicais Idai e Kenneth, que atingiram aquele país africano em março e abril.

“Composta por 29 integrantes da Força Nacional de Segurança Pública e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais, essa equipa desenvolverá ações emergenciais nas províncias de Sofala e de Cabo Delgado até ao dia 07 de junho, atendendo a solicitações das autoridades moçambicanas e das agências das Nações Unidas”, informou o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, na sua página da internet.

A tutela anunciou ainda que a nova equipa partiu para Moçambique no fim de semana passado, e que o grupo que estava em terreno moçambicano desde o dia 01 de abril regressou esta terça-feira ao Brasil.

“A primeira equipa humanitária brasileira, que regressa hoje (terça-feira) ao Brasil, chegou a Moçambique em 01 de abril, com 40 membros daquelas mesmas corporações. Desde então, as ações humanitárias do Brasil em Moçambique beneficiaram milhares de vítimas dos ciclones, com operações de busca e salvamento, distribuição de cestas básicas e vacinas, desobstrução de vias de acesso em lugares remotos e construção de duas pontes e barracas para desabrigados, entre outras atividades”, acrescentou a pasta.

O Governo brasileiro tinha anunciado no final de abril a deslocação para as regiões moçambicanas afetadas pelo ciclone Kenneth a equipa de ajuda humanitária, composta por 40 profissionais, que já se encontrava no país desde a passagem do ciclone Idai.

O executivo moçambicano desativou na terça-feira o alerta vermelho que havia decretado em março na sequência do ciclone Idai, terminando oficialmente a mobilização de meios, salvamento de pessoas e retirada compulsiva de pessoas das zonas de risco.

O número de mortos provocados pelo ciclone Kenneth no Norte de Moçambique subiu na segunda-feira de 41 para 43, anunciaram as autoridades moçambicanas.

A contabilização de pessoas afetadas subiu também de 241.000 para cerca de 250.000, mais de metade das quais em quatro distritos: Macomia (85.225), Mueda (25.680), Chiure (24.435) e Quissanga (21.154).

O ciclone Kenneth foi o primeiro a atingir o Norte de Moçambique desde que há registos e foi classificado com um grau de destruição de categoria quatro (numa escala de um a cinco, do mais fraco ao mais forte).

Moçambique foi pela primeira vez atingido por dois ciclones na mesma época chuvosa (de novembro a abril), depois de em março o ciclone Idai, de categoria três, ter atingido o cento de Moçambique onde provocou 603 mortos.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »