- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Angola quer enviar bebidas alcoólicas para os EUA

Angola quer enviar bebidas alcoólicas para os EUA

Produtos podem chegar ao mercado norte-americano em poucos meses, ao abrigo do AGOA. Mas a líder da USACC recomenda “paciência e rigor”. Há anos que Angola apenas envia petróleo e café para os EUA, escreve o Valor Económico.

Angola pode inaugurar uma nova fase nas exportações no âmbito da Lei de Oportunidade e Crescimento Económico em África (AGOA) com o envio, além do petróleo e café, de bebidas alcoólicas.

A perspectiva é da Câmara de Comércio EUA/Angola (USACC) que, há sete meses, tem estado a auxiliar uma empresa angolana a reunir os requisitos para começar a exportar bebidas alcoólicas para o mercado norte-americano, pela AGOA.

A AGOA é um instrumento criado pelos EUA, em 2000, que visa incentivar a produção industrial e agrícola em África e a importação de produtos com isenções aduaneiras. Angola aderiu à facilidade em 2003 e, desde então, tem tentado vender para o mercado norte-americano mais do que petróleo. Em 2016, foi a vez do café com um envio de 11 toneladas numa fase experimental.

Desde essa data várias tentativas foram feitas, mas nenhuma se efectivou. Entre as razões, apontam-se as exigências dos EUA e a desorganização dos empresários angolanos.

A presidente de direcção da USACC, Maria da Cruz, entende que, “como em qualquer processo, o problema é a falta de informação”. “A empresa que exporta café já tinha tentado de outra forma, mas, quando envolveu a câmara, conseguimos ajudar a entrar no mercado norte-americano. Esta empresa de bebidas alcoólicas usa material que se enquadra na AGOA”, indicou, durante o encontro com as câmaras de comércio realizado na semana passada, em Luanda.

Maria da Cruz admite tratar-se de um “processo difícil, mas possível de concretizar”. “O empresário angolano diz que o mercado americano é muito complicado. O mercado chinês é mais fácil, Portugal é mais fácil por causa da língua. Vai demorar tempo. O mercado americano não é complicado. Prefiro um parceiro americano mil vezes em relação a outros países que não vou citar. O parceiro americano ajuda normalmente na capacitação. É um processo de crescimento. Ajuda a abrir horizontes para outros mercados”, afirmou.

A líder empresarial apela a quem pretenda chegar ao mercado dos EUA para que tenha “paciência”, recorrendo ao exemplo do café. Para que fosse exportado demorou cerca de um ano. A empresa de bebidas alcoólicas já leva sete meses, podendo chegar também a um ano ou mais. Maria da Cruz aconselha ainda a que haja “rigor nos cumprimentos do envio da mercadoria, respondendo à procura de quem compra o produto”.

Exportar para a AGOA A AGOA

proporciona incentivos para que os países africanos se tornem competitivos pelo mundo, através da implementação de reformas comerciais.

O principal objectivo é a oportunidade de exportar cerca de sete mil produtos sem pagar direitos aduaneiros. Para isso, os exportadores devem seguir um conjunto de procedimentos, que variam de acordo com o produto exportado. Regra geral, os produtos a serem elegíveis devem ter um certo padrão de qualidade e requisitos fitossanitários. Países como o Lesoto, Malawi, Etiópia e Maurícias têm sido os ‘campeões’ em mandar produtos servindo-se desta lei.

- Publicidade -
- Publicidade -

“O Mali está sob o controlo profundamente cerrado das Forças Armadas”

O Presidente de transição do Mali, nos próximos 18 meses, vai ser o coronel na reserva, Bah N’Daw, auxiliado pelo vice-presidente que é o...
- Publicidade -

Dois policiais são baleados durante protestos em Louisville, nos EUA

Nesta quarta-feira (23), dois policiais foram baleados durante protestos em andamento em Louisville, nos Estados Unidos. As manifestações ocorrem após condenação de apenas um...

Justiça alemã abre novo inquérito contra suspeito do desaparecimento de Maddie McCann

O caso Maddie conheceu novos desenvolvimentos no início de Junho, com a identificação de Christian B., 43 anos, um pedófilo reincidente já condenado por...

Chuva deixa destruição na Guiné-Bissau

As chuvas torrenciais que se registaram, nos últimos tempos, na Guiné-Bissau, deixaram marcas de destruição. Da capital, Bissau, ao interior do país, cerca de mil...

Notícias relacionadas

“O Mali está sob o controlo profundamente cerrado das Forças Armadas”

O Presidente de transição do Mali, nos próximos 18 meses, vai ser o coronel na reserva, Bah N’Daw, auxiliado pelo vice-presidente que é o...

Dois policiais são baleados durante protestos em Louisville, nos EUA

Nesta quarta-feira (23), dois policiais foram baleados durante protestos em andamento em Louisville, nos Estados Unidos. As manifestações ocorrem após condenação de apenas um...

Justiça alemã abre novo inquérito contra suspeito do desaparecimento de Maddie McCann

O caso Maddie conheceu novos desenvolvimentos no início de Junho, com a identificação de Christian B., 43 anos, um pedófilo reincidente já condenado por...

Chuva deixa destruição na Guiné-Bissau

As chuvas torrenciais que se registaram, nos últimos tempos, na Guiné-Bissau, deixaram marcas de destruição. Da capital, Bissau, ao interior do país, cerca de mil...

Portugal, país euroafricano

Portugal é há muito um país euroafricano não assumido. Vozes como a da historiadora e professora Isabel de Castro Henriques, que estudam as marcas...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.