Portal de Angola
Informação ao minuto

Jornalistas são-tomenses lutam pela dignificação da classe

Dia mundial de liberdade de imprensa assinalado em São Tomé e Príncipe com críticas ao Governo (DR)

Em São Tome e Príncipe, apesar da constituição defender a liberdade de imprensa e dela ser, em grande parte, respeitada, os jornalistas consideram que falta muito para que eles sejam dignificados.

Segundo avança a VOA, a imprensa privada é praticamente inexistente num mercado pequeno que não antevê grandes mudanças no sector.

Nesta sexta-feira, 3, Dia Internacional da Liberdade de Imprensa, os jornalistas estiverem reunidos para “reflectir e validar documentos de dignificação” da classe que serão submetidos ao poder executivo e legislativo.

Maximino Carlos, jornalista da rádio pública desenha o cenário e actual e chama atenção para o que chama de salário “mísero dos profissionais” da imprensa.

“Os jornalistas ainda carecem de um estatuto e da carteira profissional, carecem de um código de ética e deontologia”, sublinha Carlos, alertando para a necessidade de dignificação dos jornalistas que recebem um “salário mísero”, de forma a “que não sejam aliciados pelo poder político, poder económico e outros poderes”.

Octávio Soares, do Folha Tropical, também destaca a deficiente situação financeira dos jornalistas que “procuram alternativas na política, o que abona a favor da classe e da liberdade de imprensa”.

O pais praticamente não tem imprensa privada, além de duas rádios ligadas a igrejas e comunitárias, o que tanto Maximino Carlos como Octávio Soares lamentam.

“Há necessidade de um quadro de apoios porque o mercado é pequeno e pobre”, concluiu Soares.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »