Portal de Angola
Informação ao minuto

Fim da SIDA à vista. Medicação para portadores de VIH impede a transmissão

Uma célula T H9 (vermelha) infectada com o vírus da imunodeficiência humana (amarelo) Foto: Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) / via (REUTERS)

A comunidade científica está mais perto de colocar um fim à epidemia da SIDA, depois de um histórico estudo de oito anos ter detetado que os homens cuja infeção pelo vírus do VIH foi totalmente suprimida pelos medicamentos antirretrovirais não infetam o parceiro sexual.

De acordo com o JN, O sucesso do medicamento significa que, se todos os portadores de VIH receberem o tratamento completo, não haverá novas infeções, concluiu o recente estudo, publicado na revista Lancet, cujo objetivo era fornecer estimativas precisas do risco de transmissão do vírus em casais homossexuais, em que um dos homens é portador. Estudos anteriores já tinham concluído que a medicação antirretroviral protege casais heterossexuais nas mesmas condições.

Entre uma amostra de 972 casais masculinos de toda a Europa, recolhida entre 2010 e 2017, em que um dos parceiros, portador da doença, estava a receber tratamento para suprimir o vírus, confirmou-se não ter havido transmissão da infeção ao companheiro durante o sexo sem preservativo. Embora 15 homens tenham sido infetados com o VIH durante o estudo, testes de ADN provaram que a transmissão ocorreu através de sexo com outra pessoa, que não o seu parceiro em tratamento.

“É brilhante, fantástico. Isto quase que coloca o assunto de lado”, disse ao “The Guardian” Alison Rodgers, da University College London, coorientadora do estudo.

“As nossas descobertas dão evidências conclusivas aos homens homossexuais de que o risco de transmissão do HIV com terapia antirretroviral supressora é zero.” A mensagem de que “uma carga viral indetetável torna o VIH intransmissível pode ajudar a acabar com a epidemia do VIH, prevenindo a transmissão e combatendo o estigma e a discriminação que muitas pessoas enfrentam”, acrescentou.

A docente responsável pelo estudo considerou que os esforços devem agora “assegurar que todas as pessoas seropositivas tenham acesso a testes, tratamento eficaz, apoio e ligação aos cuidados para ajudar a manter uma carga viral intransmissível.” Em 2017, de acordo com o jornal britânico, havia quase 40 milhões de pessoas em todo o mundo a viver com VIH, dos quais só 21,7 milhões estavam em tratamento antirretroviral.

Menos 40% de casos de VIH e 60% de Sida em Portugal

Em Portugal, um dos países da União Europeia com uma das mais elevadas taxas de novos diagnósticos de infeção por VIH e de incidência de SIDA, a tendência é decrescente face a anos anteriores. Segundo o SNS, que cita um relatório de 2018 elaborado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, na última década verificou-se uma descida de 40% no número de novos diagnósticos de infeção por VIH e de 60% nos novos diagnósticos de SIDA.

Segundo o Ministério da Saúde, “o VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana) é o agente causador da SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, podendo ficar ‘invisível’ no corpo humano, incubado por muitos anos, sem que o infetado manifeste os sintomas de SIDA”. O Síndrome “pode incluir o desenvolvimento de determinadas infeções e tumores, tal como a diminuição de determinadas células do sistema imunitário”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »