- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Política Acesso às fontes continua a ser o maior desafio da classe

Acesso às fontes continua a ser o maior desafio da classe

Jornalistas acusam determinadas instituições públicas de não terem cultura de “informação”, embora a Constituição consagre este direito ao cidadão e admitem que as ordens “superiores” criaram empecilhos ao exercício do jornalismo em Angola.

A classe jornalística em Benguela debate-se, fundamentalmente, com o problema de acesso às fontes. Os profissionais dizem que determinadas instituições públicas não estarão a acompanhar a dinâmica do país, no âmbito do novo paradigma engendrado pelo actual Governo, liderado pelo Presidente da República João Lourenço.

Em declarações a OPAÍS a propósito do 3 de Maio, dia da Liberdade de Imprensa, que hoje, Sexta- feira,3, se celebra, os profissionais admitem haver determinados gestores que insistem em não alinhar as suas acções à dinâmica da velocidade que o país segue, vetando, muitas vezes, o jornalista de aceder a determinados documentos de interesse público, facto que contraria o disposto na Lei de Acesso aos Documentos Administrativos.

Segundo este normativo, o acesso e a reutilização dos documentos administrativos são assegurados de acordo com os princípios da publicidade, da transparência, da igualdade, da justiça e da imparcialidade. João Marcos, jornalista ao serviço da Voz da América em Benguela, encontra muitas dificuldades em aceder à informação oficial e diz que os dirigentes não percebem que o cidadão tem direito à informação.

Esta questão, continua João Marcos, acaba por ser mais um desafio a juntar-se aos outros que a classe tem nesta parcela do território, advertindo, entretanto, “que esta barreira não pode condicionar a nossa actividade”. O profissional considera imperioso que os gestores públicos percebam, de uma vez por todas, que há um novo contexto de abertura e este podia servir de impulso para que as instituições se abrissem mais.

Há vozes que se levantam e dizem não fazer sentido a existência, em simultâneo, do Ministério da Comunicação Social e da ERCA, defendendo, por isso, a extinção do departamento ministerial. Para João Marcos, se cada uma das instituições cumprir o seu papel previsto na lei, talvez não haverá choques.

“O Ministério é o departamento do Governo que define políticas para o desenvolvimento do sector. A ERCA é uma entidade reguladora para a qual, muitas vezes, o cidadão que se sinta, eventualmente, lesado, deve recorrer para que seja reposta à verdade”, disse. O jornalista Lourenço Cavanda, da Rádio Benguela, comunga com a ideia de João Marcos de que o acesso às fontes se afigura num dos grandes problemas para a classe.

Cavanda vai mais longe e sustenta que saíu-se de um contexto em que as fontes obedeciam à personagem “orientação superior”, que nunca teve “rosto”. O jornalista lamenta o facto de, ainda nos dias de hoje, essa cultura prevalecer no seio de determinadas instituições.

“Não são poucas as vezes que nós vamos abordar uma entidade e esta diz não ter orientação superior para falar”, argumenta. Segundo Lourenço Cavanda, com a abertura que se regista, impulsionada pelo Presidente da República, as instituições públicas tendem a abrir-se um pouco mais “para a questão da acessibilidade, respeitando o direito a informar e a ser informado. Seria bom que todos os responsáveis vestissem esta camisola”, diz.

SJA pede que ERCA não crie mais “obstáculos”

O secretário-geral do Sindicato de Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândido, acredita que até Junho deste ano se vá eleger, em assembleia, a Comissão de Carteira e Ética, entidade que vai habilitar profissionais ao exercício do jornalismo em Angola.

Falando recentemente a OPAÍS no final da acção de formação que o SJA promoveu em Benguela, em parceria com a União Europeia, o responsável sindical salientou que,aquilo que competia às associações profissionais, nos termos da lei, já foi feito, cabendo, agora, à Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA) dar os próximos passos para a efectivação de tal desiderato.

“Todo o processo preparativo para a assembleia está feito. Nesta altura, estamos a depender que a ERCA convoque esta assembleia para eleger a Comissão de Carteira e Ética e assim, efectivamente, resolvermos um problema da auto-regulação, o mais importante instrumento”, frisou.

Por essa razão, o secretário- geral dos SJA – pede à ERCA que não crie mais “obstáculos” à classe jornalística, uma vez que compete àquela entidade convocar a assembleia, fórum em que se deverá eleger a referida comissão. “Que viabilize o quanto antes a assembleia para nós elegermos a Comissão. Nós, enquanto jornalistas, fizemos apelos à ERCA para que não crie mais obstáculos à classe”, disse.

- Publicidade -
- Publicidade -

Zagueiro Thuler confirma que é mais um caso de covid-19 no Flamengo

O zagueiro Matheus Thuler confirmou que é mais um a testar positivo para o novo coronavírus no time do Flamengo. Segundo o site globoesporte.com,...
- Publicidade -

Gal Costa chega aos 75 dizendo ter a alma jovem e faz uma live para celebrar

Neste sábado (26), dia em que completa 75 anos, ela presenteia os fãs com um show em que promete cantar "Baby", "Modinha Para Gabriela"...

“Em 2021, daremos passos muito concretos para a privatização de activos”

O secretário de Estado para as Finanças e Tesouro e Coordenador do Grupo Técnico do Propriv, Osvaldo João, afirmou, em entrevista à ANGOP, que...

Parlamento são-tomense investiga negócio que pode ter lesado o Estado em milhões de euros

Um negócio em torno do uso do indicativo telefónico de São Tomé e Príncipe está a ser investigado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito...

Notícias relacionadas

Zagueiro Thuler confirma que é mais um caso de covid-19 no Flamengo

O zagueiro Matheus Thuler confirmou que é mais um a testar positivo para o novo coronavírus no time do Flamengo. Segundo o site globoesporte.com,...

Gal Costa chega aos 75 dizendo ter a alma jovem e faz uma live para celebrar

Neste sábado (26), dia em que completa 75 anos, ela presenteia os fãs com um show em que promete cantar "Baby", "Modinha Para Gabriela"...

“Em 2021, daremos passos muito concretos para a privatização de activos”

O secretário de Estado para as Finanças e Tesouro e Coordenador do Grupo Técnico do Propriv, Osvaldo João, afirmou, em entrevista à ANGOP, que...

Parlamento são-tomense investiga negócio que pode ter lesado o Estado em milhões de euros

Um negócio em torno do uso do indicativo telefónico de São Tomé e Príncipe está a ser investigado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito...

Arreaza: governo chileno não tem moral para falar sobre direitos humanos

O chanceler venezuelano respondeu às afirmações do homólogo chileno, Andrés Allamand, que expressou seu apoio ao relatório da ONU sobre direitos humanos na Venezuela. O...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.