- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Regiões Manifestação contra fábrica de fertilizantes vai repudiar silêncio do governador de Benguela

Manifestação contra fábrica de fertilizantes vai repudiar silêncio do governador de Benguela

VOA | João Marcos

A organização cívica “Omunga” vai celebrar os 402 anos da cidade de Benguela, no próximo dia 17, com uma marcha contra a construção de uma fábrica de adubos e fertilizantes numa área residencial com mais de sessenta mil moradores expostos a elementos tóxicos.

Inserida na campanha denominada “Não à Desgraça na Graça”, o bairro onde se ergue a infra-estrutura, ao lado de uma universidade com centenas de estudantes, a marcha surge para criticar o silêncio do Governo Provincial, quando a ministra da Indústria, Bernarda Martins, decide a suspensão das obras

Três dias depois da manifestação, a 20 de Maio, os promotores entregam uma nota de protesto com várias subscrições ao governador provincial, Rui Falcão, de quem exigem explicações por um projecto que chegou a ser embargado em Dezembro de 2018.

Movida pelo parecer de ambientalistas que descortinam problemas de saúde para a população, a “Omunga”, de acordo com o seu director executivo, José Patrocínio, espera que a decisão da ministra não seja desrespeitada, nem que para isso entrem em cena os tribunais.

“Se a ministra diz que a obra não deve continuar, que há orientações para que o senhor governador, possivelmente, arranje um outro local … é estranho que não esteja a cumprir. Obviamente que pode surgir uma ordem nesse sentido (judicial), até porque o embargo decorreu de denúncias. Mas vamos começar por aqui, pensando outros caminhos para depois”, adianta o activista.

Patrocínio acredita que a fábrica delineada para apoiar a agricultura vá para uma zona industrial, mas adverte que é preciso atenção aos processos.

“Que seja participativo, transparente e que tenha um estudo de impacto ambiental. É preciso o parecer das comunidades”, sugere Patrocínio.

Agora em silêncio, remetendo jornalistas para o sector do Ambiente, a Administração Municipal de Benguela, entidade que concedeu o terreno para uma superfície comercial, embargou a obra, em Dezembro de 2018, seis meses depois, devido a alterações que colidem com o plano director do município, conforme avança uma fonte do Governo Provincial.

O ruído faz eco no Grupo Parlamentar da UNITA, tendo o líder, o deputado Adalberto Costa Júnior, deixado conselhos às autoridades locais, após ter abordado o assunto com a universidade Jean Piaget.

“Recebemos manifestações de cidadãos contrários à abertura de uma fábrica que produzirá adubos por processos completamente químicos. Aconselho as administrações a não fazerem opções políticas sobre esta questão, devem munir-se de estudos ambientais adequados e tomarem decisões que salvaguardem interesses das populações e preservem a saúde publica”, alerta o político.

A VOA apurou que a obra é de empresários estrangeiros, sobretudo indianos, associados a altas figuras do regime angolano.

A “Omunga”, observador africano dos direitos dos povos, informa que a marcha terá início na praça da Unta-Confederação Sindical, passará por várias artérias da cidade e terminará no bairro da Graça, arredores da cidade.

- Publicidade -
- Publicidade -

Que terceiro Presidente queremos?

Quando, há três anos, assistimos à primeira grande transição geracional do poder em Angola, para trás a história registava a passagem por aqui de...
- Publicidade -

Caso São Vicente: PGR confia na recuperação do dinheiro e admite ouvir personalidades da Sonangol

A Procuradoria Geral da República (PGR) de Angola assegura que tudo está a fazer para recuperar os 900 milhões de dólares congelados na conta...

Ministério Público quer agravar pena de prisão a “Zénu” dos Santos e co-acusados

O Tribunal Supremo (TS) de Angola terá que decidir se vai agravar ou aliviar as sentenças impostas aos acusados no “processo dos 500 milhões”. O...

Sociedade civil e partidos extra-parlamentares estão “vigilantes” com a criação da frente patriótica

O Ex-secretário Executivo do Comité Intereclesial para a Paz em Angola (COIEPA), reverendo Ntony Njnga, felicitou a iniciativa de se criar uma Frente Patriótica...

Notícias relacionadas

Que terceiro Presidente queremos?

Quando, há três anos, assistimos à primeira grande transição geracional do poder em Angola, para trás a história registava a passagem por aqui de...

Caso São Vicente: PGR confia na recuperação do dinheiro e admite ouvir personalidades da Sonangol

A Procuradoria Geral da República (PGR) de Angola assegura que tudo está a fazer para recuperar os 900 milhões de dólares congelados na conta...

Ministério Público quer agravar pena de prisão a “Zénu” dos Santos e co-acusados

O Tribunal Supremo (TS) de Angola terá que decidir se vai agravar ou aliviar as sentenças impostas aos acusados no “processo dos 500 milhões”. O...

Sociedade civil e partidos extra-parlamentares estão “vigilantes” com a criação da frente patriótica

O Ex-secretário Executivo do Comité Intereclesial para a Paz em Angola (COIEPA), reverendo Ntony Njnga, felicitou a iniciativa de se criar uma Frente Patriótica...

EUA contrabandeiam petróleo para fora da Síria durante a noite em 35 camiões-cisterna, diz mídia

A região do nordeste da Síria contém a maior parte das reservas de petróleo do país e é também o território onde a maioria...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.