Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Dez coisas que devia saber sobre ciclones

Furacão Maria (ao sul) e furacão José sobre o Oceano Atlântico (2017) (DR)

Após a passagem dos ciclones Idai e Kenneth em Moçambique, a DW África preparou uma lista de factos sobre estes fenómenos naturais e como eles ocorrem no mundo.

O ciclone é um fenómeno natural que se forma nos oceanos e pode apresentar ventos de mais de 250 quilómetros por hora. Também é chamado de furacão ou tufão, de acordo com a região onde surge. Veja os 10 factos que reunimos sobre este tema:

1. Diferenças entre ciclone, furacão e tufão

Todos são subtipos de tempestades tropicais e aparentemente representam um mesmo fenómeno natural, caracterizado por fortes ondas de vento, em formato giratório ou circular, que são bastante destrutivas. Mas os ciclones formam-se na porção ocidental do Índico, enquanto os furacões formam-se no norte do Oceano Atlântico, no Mar das Caraíbas, no golfo do México e no Oceano Pacífico, próximo ao litoral da América do Norte. Os tufões também se formam no Pacífico, mas são mais comuns no Japão, no sul asiático e também na porção leste do Oceano Índico.

2. Como surgem os ciclones

São correntes de vento que se encontram no oceano, formam uma intensa massa de nuvens e podem assumir características de um ciclone. O factor principal na formação de um ciclone é a temperatura da água do mar. Por isso, as regiões mais são mais propícias à formação deste fenómeno.

3. Diferenças entre ciclone e tornado

Tanto um quanto o outro são movimentos de ar giratórios. No entanto, o ciclone apresenta-se numa área muito maior que o tornado, envolvendo centenas de quilómetros, e com ventos que podem atingir velocidades superiores ou iguais a 120 km por hora. O tornado, por sua vez, apresenta-se numa área menor, mas os seus ventos podem superar os 500 km por hora. Por isso, o nível de destruição de um tornado pode ser bem maior que o do ciclone, porém os danos serão restritos a uma pequena área.

A olho nu, é impossível visualizar toda a extensão de um ciclone, que pode alcançar os 1.500 km de diâmetro. Isto só seria possível com imagens de satélite. O tornado é perfeitamente visível, podendo abranger até 2 km.

4. Porque os ciclones têm nome de homens e mulheres

Trata-se de uma convenção da meteorologia e tem como objectivo evitar confusões e facilitar os alertas. Este é um padrão utilizado desde 1953 pelo Centro Nacional de Furações dos Estados Unidos. Hoje em dia, a Organização Meteorológica Mundial, órgão da Organização das Nações Unidas (ONU), é a responsável pela lista que nomeia os ciclones. A cada ano, as listas de tempestades são organizadas em ordem alfabética, alternando nomes masculinos e femininos. Mas até 1970, apenas nomes femininos eram utilizados. As listas de nomes são reutilizadas a cada seis anos.

5. Porque os ciclones giram de forma diferente no hemisfério norte e sul

Isto tem a ver com a chamada Força de Coriolis, produzida pela rotação do planeta Terra. Quando grandes camadas de ar entram em movimento de rotação, origina-se um ciclone, que no hemisfério norte vai-se manifestar no sentido anti-horário, enquanto no hemisfério sul no sentido horário.

6. Qual foi o ciclone mais forte até hoje em Moçambique?

Apesar de ter feito menos vítimas que o ciclone Idai, o Kenneth foi o ciclone mais forte que chegou à costa moçambicana, segundo dados meteorológicos. O ciclone Idai atingiu a província de Sofala a 15 de Março com ventos de até 180 km por hora, enquanto Kenneth teve ventos de até 210 km por hora. Na escala de intensidade, que vai até 5, o Idai atingiu a categoria 3 e o Kenneth a 4.

Esta é a primeira vez, em 50 anos, que Moçambique tem dois ciclones tão sérios num curto espaço de tempo. A única situação semelhante foi em 2000, quando houve grandes inundações no vale do rio Limpopo e dos rios Púngue e Búzi. Naquele ano havia dois ciclones, o Eline, de categoria 3, e o Hudah, de categoria 1.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »