Portal de Angola
Informação ao minuto

Ex-Presidente timorense Ramos-Horta fala em sinal de ameaças demasiado frequentes na Ásia

(DR)

Sapo Notícias|Lusa

O ex-Presidente timorense José Ramos-Horta disse que os recentes ataques terroristas no Sri Lanka são sinal do extremismo violento na Ásia onde ameaças e ataques a minorias étnicas e religiosas continuam a ser demasiado frequentes.

“Ameaças e ataques contra minorias étnicas e religiosas são demasiado frequentes na Ásia, inclusive no sudeste da Ásia. Muitas vezes são alimentados através das redes sociais por atores religiosos e políticos irresponsáveis ou por grupos marginais que incendeiam paixões, raiva e violência”, afirmou em Díli.

Numa intervenção num encontro regional sobre diplomacia preventiva e alerta precoce, o Prémio Nobel da Paz disse que a decisão extraordinária do Sri Lanka de bloquear as redes sociais depois dos atentados, “reflete a crescente preocupação global, particularmente entre os governos, sobre a capacidade das redes de propriedade norte-americana de gerar violência”.

O ex-chefe de Estado referia-se aos oito atentados bombistas no domingo passado que mataram, pelo menos, 359 pessoas e provocaram mais de 500 feridos, tendo, segundo a polícia sido detidos já 58 suspeitos.

As autoridades atribuíram os ataques a um grupo extremista islâmico local, o National Thowheeth Jama’ath, embora considerem que o grupo teve apoio internacional.

Numa das medidas anunciadas imediatamente depois dos ataques, as autoridades do Sri Lanka bloquearam os acessos a redes sociais como o Facebook e o Whattsapp.

Ramos-Horta sublinhou que antes das redes sociais, os “líderes políticos, comunitários e religiosos irresponsáveis faziam uso de uma ferramenta mais básica, mas eficaz e disponível, o rádio, para disseminar a desinformação e as mentiras descaradas, alimentando medos e violência”.

Exemplos disso, referiu, são o genocídio de 1994 no Ruanda e os conflitos na Bósnia, “tragédias causadas em parte pelo uso deliberado de ferramentas de comunicação”.

Contudo, sustentou, se uma estação de rádio que esteja a “transmitir mensagens de ódio e violência” pode ser fechada facilmente, “é muito mais difícil para os governos adotarem leis que regulem as redes sociais e que garantam que os seus proprietários estrangeiros, que lucram com elas, e os utilizadores locais são responsáveis pelas suas ações”.

José Ramos-Horta falava em Díli na abertura de um encontro do Fórum Regional da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) sobre sobre o papel da diplomacia preventiva e de alertas prévios na resolução de conflitos, copresidido por Timor-Leste, Indonésia, Estados Unidos e Nova Zelândia.

O encontro de três dias tem como objetivo “aprofundar e melhorar a compreensão dos princípios da diplomacia preventiva” e “explorar formas sobre como a ASEAN pode reforçar a capacidade de impedir a escalada dos conflitos regionais através da implantação de mecanismos de alerta precoce e de resposta antecipada”.

O ex-Presidente timorense disse que na era das redes sociais “um conflito pode ser instantaneamente aceso com a publicação de rumores falsos e incendiários por seguidores de um determinado grupo étnico ou religioso baseado em qualquer lugar” do mundo e que pretendem “instigar tensões e conflitos no seu próprio país ou noutro país”.

“O Facebook e veículos de comunicação similares são facilitadores críticos da crescente onda de racismo e xenofobia, pois fornecem plataformas desimpedidas para demagogos e extremistas para recrutar, instigar e realizar ataques terroristas”, sublinhou.

Daí que, afirmou, é importante rever os mecanismos internacionais e regionais existentes sobre prevenção de conflitos e resolução de conflitos, em especial porque podem não conseguir responder adequadamente a novos focos de tensão e conflito.

Até aqui, destacou, esses mecanismos “giram em torno das causas tradicionais de conflito, nomeadamente, disparidades sociais, desemprego, pobreza extrema, perceção e ressentimento em relação a discriminação ou exclusão real ou percebida, conflitos étnicos ou tribais, conflitos sobre fronteiras e recursos, conflitos resultantes de rivalidades regionais”, entre outros.

“As Nações Unidas e as instituições multilaterais, como a UE, OSCE [Organização para a Segurança e Cooperação na Europa], UA [União Africana], OEA [Organização dos Estados Americanos], Liga dos Estados Árabes e ASEAN, têm ampla experiência e, por vezes, empregam recursos significativos na resolução de conflitos entre Estados. Mas a gama de conflitos intra-estatais e a sua natureza sensível dificultam as tentativas de prevenção e mediação por fóruns regionais e extra-regionais”, frisou.

Na reunião que decorre em Díli até sexta-feira participam representantes dos membros do Fórum Regional da ASEAN, nomeadamente a Austrália, Bangladesh, Brunei, Camboja, Canada, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Estados Unidos, Índia, Indonésia, Japão, Laos, Malásia, Mongólia, Myanmar, Nova Zelândia, Paquistão, Papua Nova Guiné, Filipinas, Rússia, Singapura, Sri Lanka, Tailândia, Timor-Leste, União Europeia e Vietname.

O encontro conta ainda com representantes do Instituto da ASEAN para a Paz e Reconciliação e do Grupo de Pessoas Eminentes, de instituições e organizações nacionais e regionais envolvidas no alerta precoce e na paz e segurança, bem como daquelas que trabalham com mulheres, jovens e populações minoritárias.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »