Portal de Angola
Informação ao minuto

Um mar de tristeza e lágrimas pela morte de Filó Monteiro

Maria Esther de Nazareth dos Santos Monteiro (Foto: Arquivo da família Monteiro)

Nováfrica / Carlos Costa

Maria Esther de Nazareth dos Santos Monteiro (Filó Monteiro) filha mais velha do nacionalista António Marques Monteiro, um dos integrantes do célebre Processo dos 50,  faleceu dia 18 de Abril em Peterborough (United Kingdom). Assistimos nas redes sociais a uma crescente onda de solidariedade de familiares e amigos em homenagem a Filó Monteiro, que em vida foi  forçada a abdicar de uma carreira estudantil  de sonho para assumir o papel de encarregada de educação dos seus irmãos menores, estigmatizados pela onda de repressão da polícia secreta fascista, a tenebrosa PIDE, e a optar pelo curso de enfermagem, que lhe permitiu, naquele tempo, zelar pela subsistência dos seus irmãos, eles próprios vítimas do clima psicológico de exclusão criado à volta da família, que tinha como chefe, um dos mais proeminentes nacionalistas, que em pleno tribunal defendeu a independência de Angola e a Raínha Ginga,  como símbolo da resistência ao colonialismo, conforme documentos extraídos dos arquivos da Torre do Tombo, em Lisboa.

Filó Monteiro, na condição de enfermeira,   ao assumir  a pesada responsabilidade pelo sustento dos seus, cuidava igualmente de todos aqueles que necessitavam de apoio médico, com um sorriso nos lábios, escondendo o trauma pela prisão do pai, entretanto julgado e desterrado para o Campo de Concentração do Tarrafal, Cabo Verde.

Maria Ester de Nazareth dos Santos Monteiro (Filó Monteiro) fazia parte de uma elite de mulheres que defendia os valores da cultura africana, tão duramente maltratada por um regime retrógrado, que se impôs pela força, e governou Angola, até 11 Novembro de 1975.

Os seus restos mortais serão cremados em Peterborough (Reino Unido) e as cinzas transportadas para Luanda, em data a anunciar oportunamente. Paz à sua alma!

Aurora Monteiro (Esposa de António Marques Monteiro), Maria Esther Monteiro(Filó), António Marques Monteiro Jr (Kokas), Arlete (Faty) Jorge Monteiro, Ana Paula (Paty) Armindo Monteiro (Mindo) Alberto Monteiro (Beto) (Foto: Arquivo de família Monteiro)

QUEM FOI ANTÓNIO MARQUES MONTEIRO

António Marques Monteiro (Antonico), (Luanda – Angola19 de Julho de 1918 – Luanda26 de Julho de 1967), activistapolítico e nacionalista, membro do MIA (Movimento para Independência de Angola), cuja fusão com outros movimentos deram essência ao MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola).

Filho de António Monteiro e de Maria da Nazaré Nunes, Neto de Manuel Correia Nunes e de Nga Dona Ana João, descendente de famílias da ilha do Cabo e do MussuloLuanda.

Foi funcionário do Banco de Angola, em Luanda.

De formação Seminarista, esteve ligado ideológica e politicamente a Monsenhor Cónego Manuel das Neves e a Joaquim Pinto de Andrade, organizando diversas reuniões clandestinas para promoverem estratégias e debaterem questões políticas relacionadas a independência de Angola.

Um dos integrantes do Processo dos 50, processo esse que pela sua importância, daria conhecimento internacional da luta pelo direito à independência de Angola. Numa próxima oportunidade traremos a lume uma reflexão com base em documentos  e testemunhos de pessoas, directamente ligadas a este dossier.

 

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »