Portal de Angola
Informação ao minuto

Governo Bolsonaro vai condecorar advogado de militares que mataram músico

Carro é fuzilado pelo Exército no Rio, causando a morte do músico Evaldo Rosa, de 51 anos — (Foto: Reuters/Fabio Texeira)

UOL

O advogado que defende os nove militares do Exército presos por participarem da ação que resultou na morte do músico Evaldo Rosa, no Rio, será condecorado pelo Ministério da Defesa. O nome dele consta da lista publicada no DOU (Diário Oficial da União) na terça-feira (16). O carro em que estava a vítima recebeu 80 disparos de metralhadora. Um catador de recicláveis que tentou ajudar a família de Rosa também foi baleado e morreu hoje.

Paulo Henrique Pinto de Mello, que defende o grupo, vai receber a Medalha da Vitória, em alusão ao papel do Brasil na Segunda Guerra Mundial e em missões de paz. Segundo o Ministério da Defesa, a condecoração ao advogado havia sido definida antes de ele assumir o caso dos militares que mataram Evaldo.

Paulo Henrique é uma das 300 pessoas que deverão receber a honraria, normalmente concedida a ex-combatentes da Segunda Guerra Mundial ou de missões de paz, além de civis que tenham prestado serviços relevantes na avaliação do Ministério da Defesa. Cabe ao Ministro da Defesa validar a lista de condecorados.

A portaria com os nomes dos condecorados foi assinada pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, no dia 12 de abril. Dois dias antes, diante de deputados federais na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, o ministro classificou a morte de Evaldo como um “lamentável incidente” e disse que o Exército iria “apurar e cortar na própria carne”.

Além de advogado, Paulo Henrique é militar da reserva. Ele atua em áreas como direito eleitoral e na Justiça Militar.

Há pouco mais de uma semana, ele vem atuando na defesa de um grupo de nove militares que confessaram ter matado Evaldo a tiros na Estrada do Camboatá, em Guadalupe, na zona norte do Rio. A morte aconteceu na tarde do dia 7 de abril. Os militares disseram que confundiram o carro do músico com o de criminosos.

Evaldo dirigia seu carro ao lado da mulher, um filho, o sogro e de uma adolescente. Ao passar por uma patrulha do Exército, o carro foi alvejado pelos militares. Ele morreu no local. O sogro ficou ferido, e o catador Luciano Macedo também morreu.

Inicialmente, o CML (Comando Militar do Leste) emitiu uma nota dizendo que a ação tinha sido uma resposta a um assalto e sugeriu que os militares haviam sido alvo de uma “agressão” por parte dos ocupantes do carro.

Depois que a família contestou a versão dada pelo Exército, a instituição recuou e mandou prender 10 dos 12 militares envolvidos na ação. Um acabou solto após alegar que não fez nenhum disparo.

Segundo o Exército, a prisão aconteceu depois que a instituição detectou inconsistências nas versões apresentadas por eles. Paulo Henrique assumiu o caso dos militares e tentou tirá-los da prisão, mas o pedido de habeas corpus foi negado pelo STM (Superior Tribunal Militar). O caso continua sendo investigado e os militares permanecem presos.

Ministério diz que medalha não tem relação com morte

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Ministério da Defesa informou que a escolha do advogado dos militares não teve relação com o caso do músico morto.

“O senhor Paulo Henrique Pinto de Mello é militar da reserva, trabalha, há anos, em escritório de advocacia que atende militares e familiares de militares das Forças Armadas”, disse o ministério ao ser perguntado sobre qual o motivo da condecoração ao advogado.

O órgão também disse que a decisão de condecorar o advogado aconteceu antes de ele assumir a defesa dos militares no Rio. “A proposta da comenda foi feita antes de 15 de março, seguindo os processos internos do Ministério da Defesa”, afirmou.

A reportagem do UOL fez ligações aos telefones fixos e celulares que constam do registro do advogado Paulo Henrique Pinto de Mello junto ao Cadastro Nacional de Advogados da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) entre terça e ontem, mas ele não atendeu às ligações.

O Ministério disse que a cerimônia de entrega da medalha deverá ser feita no dia 8 de maio. Um mês e um dia depois da morte do músico.

A cerimônia costuma ocorrer no Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo. O evento ainda está sendo planejado e demais detalhes serão divulgados em breve, segundo o ministério.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »