Portal de Angola
Informação ao minuto

Família queniana processa Boeing por acidente da Ethiopian Airlines

(Reuters)

Portal de Angola| Osvaldo de Nascimento

Uma família queniana entrou com uma ação judicial em Chicago contra a Boeing, gigante norte-americana da aviação, devido ao acidente de aviação ocorrido a 10 de Março com a Ethiopian Airlines, onde 157 pessoas morreram.

Irmãos do engenheiro George Kabau, de 29 anos, querem que a empresa mostre os documentos e e-mails relacionados ao seu modelo 737 MAX 8, que está em terra, depois que dois grandes aviões caíram na Etiópia e na Indonésia.

De acordo com a Reuters, um relatório preliminar divulgado no início deste mês indicou que os pilotos da Ethiopian Airlines lutaram com um sistema de computador que repetidamente ordenou o nariz para baixo por causa de dados do sensor com defeito. O mesmo sistema foi o foco do relatório preliminar para o acidente da Lion Air em outubro na Indonésia, que matou 189 pessoas.

Dezenas de famílias já estão a processar a Boeing pelo acidente da Lion Air, e três processos já foram registados durante o acidente da Ethiopian Airlines, pelas famílias de dois norte-americanos, incluindo a grande sobrinha do ativista Ralph Nader, e um ruandês.

O co-fundador da Lion Air criticou na segunda-feira a manipulação dos acidentes pela Boeing.

A irmã de Kabua, Esther Kabau-Wanyoike, disse numa entrevista coletiva que queria usar a morte de seu irmão para melhorar a segurança da aviação.

“Ele não deixou nenhum filho. Minha mãe está arrasada ”, disse ela. “Podemos usar a sua morte para garantir viagens mais seguras para todos.”

A advogada norte-americana Nomi Husain, que também representa uma das famílias americanas, disse que o processo foi aberto em Chicago na noite de segunda-feira.

“Queremos deixar o processo de litígio”, disse ele. “Quando você coloca os lucros acima da segurança, você será responsabilizado e você pagará um preço.”

A Boeing disse que não comentaria o processo diretamente.

“Enquanto a investigação continua, a Boeing cooper com as autoridades investigadoras”, disse a empresa em comunicado à Reuters.

O Quênia teve o maior número de cidadãos no vôo de Adis Abeba para Nairóbi. Pelo menos 32 quenianos estavam a bordo, disse a companhia aérea na época, embora esse número possa ser maior porque alguns dos viajantes eram de dupla nacionalidade dupla e o manifesto completo ainda não foi divulgado.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »