Portal de Angola
Informação ao minuto

Cabo Delgado: PGR deduz acusação contra jornalistas detidos a reportar atrocidades

Amade Abubacar, Jornalista, Moçambique (DR)

VOA| Alfredo Júnior

A Procuradoria-Geral da República ao nível de Cabo Delgado já deduziu a acusação contra os jornalistas Amade Abubacar e Germano Adriano, ambos detidos a reportar atrocidades naquela província.

O Misa-Moçambique, instituto que monitora a imprensa, diz que ainda não teve acesso ao seu teor, mas o seu presidente, Fernando Gonçalves, diz que a sua instituição está preparada para continuar a defender o jornalista.

“Se o Ministério Público decidiu avançar com o processo entendendo que há elementos de prova que indiciaram Amade Abubacar no cometimento do crime de que é acusado, nós estamos preparados para providenciar a melhor defesa que nos será possível dar”, disse Gonçalves.

Gonçalves recordou que este processo está repleto de vários atropelos. “Amade Abubacar foi detido, no dia 5 de Janeiro e pela Lei Moçambicana 48 horas depois de já teria sido apresentado a um juiz de instrução o que então veio a acontecer”.

Por outro lado, Gonçalves repudia o facto de Abubacar ter sido “encaminhado para um quartel militar em Mueda”.

Várias organizações nacionais e estrangeiras têm solicitado a intervenção das autoridades para a libertação dos dos jornalistas.

Eduardo Constantino, Secretario Geral do Sindicato de Jornalistas reitera esse apelo. “Ele (Abubacar) foi detido em pleno exercício da sua actividade profissional e por isso nós pedimos que o ponham em liberdade.”.

Números oficiais dão conta que, pelo menos, 140 pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança, morreram desde que a onda de violência começou, em Outubro de 2017, em Cabo Delgado.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »