Portal de Angola
Informação ao minuto

‘WikiFavelas’, a enciclopédia virtual das comunidades

Favela brasileira (DR)

AFP

O que é um baile funk? Como se organiza a economia das favelas? Qual foi o impacto das intervenções militares na periferia carioca? A enciclopédia “WikiFavelas” quer responder a estas e outras perguntas, reunindo o conhecimento popular e acadêmico sobre estas comunidades, onde moram um em cada cinco moradores.

O acervo acadêmico sobre as comunidades “é extremamente fragmentado. [São estudadas] de diferentes disciplinas: geografia, história, antropologia, museologia; mas não há um conhecimento agregado sobre as favelas”, explicou à AFP Sonia Fleury, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e coordenadora do projeto “WikiFavelas: Dicionário de Favelas Marielle Franco”.

Desde que começou a trabalhar neste projeto, Fleury percebeu uma “efervescência cultural muito grande” nestas comunidades, “um esforço enorme de resgatar a memória, documentos que os moradores possuem e que estão se transformando em centros de estudos, em museus, grupos culturais”.

Dali surgiu a ideia de criar uma plataforma virtual que permitisse estender “pontes”: por um lado, sistematizar e colocar à disposição do público em geral o conhecimento “extremamente complexo, rico” que os moradores das favelas têm de seus próprios territórios; e, por outro, devolver a estas comunidades os conteúdos produzidos no âmbito acadêmico com base em estudos realizados nas favelas.

O resultado é uma página em construção, alimentada por dezenas de colaboradores que possam propor novos conteúdos e alterar os já existentes, respeitando as regras definidas por um Conselho Editorial composto por acadêmicos e estudiosos nas favelas, muitos deles nascidos nos mesmos bairros.

Exemplo disso foi a vereadora Marielle Franco, nascida na favela da Maré e assassinada em 14 de março de 2018, aos 38 anos. Sua dissertação de mestrado, sobre o programa de Polícia Pacificadora, implantado nas favelas na última década, deu origem a um dos artigos da nova enciclopédia.

Para seu lançamento, em 10 de abril, os organizadores reuniram cerca de 150 com definições, análises, relatos e conteúdos relacionados a políticas públicas, atividades culturais e história de comunidades do Rio de Janeiro.

– Definições –

O Wikifavelas.com.br pode ser considerado um guia das comunidades, as quais, embora estejam estreitamente vinculados ao resto da cidade, permanecem invisíveis para quem não passa por elas diariamente.

À lista de instituições de referência, de massacres que marcaram sua história e filmes sobre seus moradores, somam-se definições de personalidades e fenômenos próprios.

Alguns deles:

“Milícias: grupos criminosos formados e dirigidos por agentes de segurança do Estado”, que “estabelecem o controle e o monopólio de serviços e bens a partir do controle armado das favelas, comunidades, bairros e cidades”.

“Dono do morro”: “chefe do tráfico de drogas que reivindica não só o controle armado dos pontos de venda de drogas – ‘bocas de fumo’ -, mas também dos territórios que os circunscrevem”; agem “como árbitros de litígios (…), podem cobrar taxas sobre atividades econômicas, financiam eventos culturais e realizam políticas assistenciais”.

“Rolezinho: era um simples passeio entre amigos, que virou uma afirmação de identidades e estilos, quando foram proibidos em lugares como shoppings. Hoje, é uma manifestação cultural e conjunta da juventude, de afirmação e busca de seu direito à cidade”.

– “Pluralidade de narrativas” –

Por que não ficar com as definições destes conceitos em páginas como o Wikipedia? Para fomentar a “pluralidade de narrativas”, justifica Fleury.

Em enciclopédias “neutras”, como a Wikipedia, “a palavra Favela sempre foi usada como um adjetivo pejorativo: ‘Isso é coisa de favelado’. Não concordamos com os termos neutros do Wikipedia, não somos neutros. Temos uma posição em relação à perspectiva emancipatória da cidadania e da cidade”, afirma.

Por “opção política”, a WikiFavelas não distingue o conhecimento produzido “em centros de excelência” daquele produzido na favela.

“São todos intelectuais orgânicos que estão pensando uma realidade que transcende, porque é a realidade de uma cidade”, explica Fleury.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), 22,2% dos cariocas viviam em favelas em 2010, data do último censo demográfico nacional.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »