Portal de Angola
Informação ao minuto

Militares apelam à intervenção do Presidente para “repor a justiça”

(LOPES/LUSA)

Observador|Lusa

Seis associações representativas das Forças Armadas, da GNR e da Polícia Marítima apelaram à intervenção do Presidente da República para “repor a justiça” promovendo a “reposição integral” do tempo de serviço após o descongelamento das carreiras.

Reunidos em plenário, ontem na Casa do Alentejo, em Lisboa, cerca de 120 militares e profissionais da GNR e da Polícia Marítima aprovaram uma moção manifestando “repúdio” pela forma como “foi conduzido” o processo de descongelamento das carreiras nestes setores.

Subscrito pelos dirigentes de seis associações socioprofissionais representativas, o texto aprovado pede a Marcelo Rebelo de Sousa que “intervenha na situação no sentido de repor justiça promovendo o descongelamento integral do tempo para a progressão em causa”.

Afirmando desconhecer ainda o texto final do decreto do Governo que estabelece o modo de contagem do tempo de serviço, aprovado em Conselho de Ministros em 04 de abril, as associações defendem que “é devido” o descongelamento “integral” e não aceitam um tratamento “indigno e discriminatório”.

“A resposta apresentada, embora conceda uma parcela do tempo congelado, está muito longe dos objetivos que permitam repor a justiça devida aos profissionais destes setores de atividade”, referem.

De acordo com a moção, vai ser lançada nos próximos dias uma petição ‘on-line’ para enviar à Assembleia da República visando apelar para que o parlamento altere o decreto do Governo.

Por outro lado, apela para “uma massiva intervenção dos militares das Forças Armadas, dos profissionais da GNR e da Polícia Marítima nas comemorações do 25 de Abril” como forma de “assinalar o seu descontentamento” face ao que consideram “uma injustiça”.

Para as estruturas associativas, “o “descongelamento integral do tempo para a progressão na carreira” deve incluir os militares e profissionais na reserva fora da efetividade de serviço, na reforma e ainda os ex-militares contratados que, entretanto, deixaram as fileiras e ingressaram na Administração Pública.

O diploma aprovado em Conselho de Ministros no passado dia 04 estabelece as regras para a contagem do tempo de serviço das carreiras especiais, nas quais se incluem militares, juízes e polícias, prevendo a recuperação de 70% do tempo de serviço relevante para a progressão.

A proposta, que integra uma solução idêntica à dos professores, estabelece a contabilização de “70% do módulo do tempo padrão” para os trabalhadores integrados em corpos especiais, em que a progressão e mudança de posição remuneratória dependa do tempo de serviço.

O PSD e o CDS-PP já admitiram a possibilidade de pedirem a apreciação parlamentar do decreto do Governo.

A moção hoje aprovada foi subscrita pela Associação de Oficiais das Forças Armadas, Associação Nacional de Sargentos, Associação de Praças, Associação dos Profissionais da Guarda, Associação Nacional dos Sargentos da Guarda e a Associação Sócio-Profissional da Polícia Marítima.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »