Portal de Angola
Informação ao minuto

Caminhos-de-Ferro de Luanda vão parar na quinta-feira – Trabalhadores voltam à greve por melhores salários

(DR)

Os Caminhos-de-Ferro de Luanda (CFL) podem voltar a parar já na próxima quinta-feira se os trabalhadores não receberem da administração da empresa garantias sólidas de que vão ter uma resposta positiva às suas reivindicações laborais, escreve o Novo Jornal Online.

Depois de quase duas semanas em greve no mês de Janeiro, interrompida devido ao reatar das negociações com a administração, o Sindicato dos Trabalhadores dos CFL anunciou agora que apenas uma pequena parte, menos de 20% do caderno reivindicativo foi considerado e, por isso, o regresso à greve é a única alternativa que resta.

No entanto, o sindicato já sabia, como o presidente do conselho de administração do CFL, Júlio Bango, informou logo após a paralisação de Janeiro, a empresa permanece sem capacidade para corresponder à principal exigência dos ferroviários: um aumento de 80 por cento no salário.

A greve, segundo disse à Lusa o secretário para informação do Sindicato dos Trabalhadores do CFL, Lourenço Contreiras, esta retoma da greve resulta do incumprimento do prazo combinado com a administração para responder às reivindicações inseridas no caderno reivindicativo entre pelo sindicato.

“Os trabalhadores acharam por bem retomar a greve na quinta-feira, porque não foram satisfeitos os pontos que constavam no caderno reivindicativo, nem mesmo com a moratória que demos ao conselho da administração foi cumprido o tempo”, explicou o sindicalista.

“O conselho não cumpriu nem sequer a 20% dos pontos apresentados no caderno reivindicativo, então, reunidos em assembleia, os trabalhadores decidiram que retomemos a greve já a partir do dia 18”, disse ainda o sindicalista.

Entre as exigências dos trabalhadores dos CFL estão 19 pontos, encimados pelo aumento de 80 por cento no salário, que a empresa não vai poder suportar sem que, como disse o seu PCA, sejam encontradas novas formas de arrecadação de receitas através de novos serviços, que podem passar pelo transporte de combustíveis ou minerais noutras linhas e destinos além dos que já existem, como é o caso do transporte de combustíveis para Malanje acordado com a Sonangol.

Recorde-se que a administração dos CFL já defendeu que respondeu positivamente a 18 dos 19 pontos do caderno reivindicativo do sindicato, faltando apenas o aumento salarial em 80 por cento.

Face a isso, uma greve, que gerou em Janeiro cerca de 2 milhões de kwanzas de prejuízos diários, enfraquece ainda mais a solidez financeira e acrescenta dificuldades.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »