Portal de Angola
Informação ao minuto

Sudão: Conselho Militar nomeia novo director dos serviços secretos

Abdel Fattah Abdelrahman Burhan é o homem que lidera o conselho de transição (STRINGER/EPA)

Observado | Lusa

Homem escolhido para as secretas tem formação militar, ao contrário do antecessor. Ministro da Defesa, chefe do Estado-Maior e embaixador em Washington também foram demitidos.

O Conselho Militar que governa o Sudão desde a destituição do presidente Omar al-Bashir designou este domingo um novo director dos serviços secretos e demitiu o ministro da Defesa, o chefe de Estado-maior do Exército e o embaixador em Washington.

O anúncio do general Abu Bakr Dambalab como novo director dos serviços secretos foi feito numa conferência de imprensa para dar conta da saída do ministro da Defesa, Awad Ahmed Benawf, e do chefe de Estado-Maior do Exército, Camal Abdel Maaruf, e da demissão do embaixador em Washington, o general Mohamed Attal-Moula Abbas.

De acordo com o porta-voz do Conselho Militar, está a ser avaliada a situação de outros embaixadores noutros países, acrescentando que têm tido encontros diplomáticos com representantes de países árabes, entre os quais a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Qatar, países africanos como a Etiópia e o Sudão do Sul, ou representantes dos Estados Unidos e da denominada troika, com os Estados Unidos, a Noruega e o Reino Unido.

Em relação ao novo director dos serviços secretos, Dambalab foi nomeado pelo chefe do Conselho Militar Transitório, o general Abdel Fattah al-Burhane, depois de ter sido promovido na hierarquia militar e em substituição de Salah Gosh, que apresentou a sua demissão na sexta-feira à noite. Contrariamente a Salah Gosh, o novo responsável pelos serviços de informação sudaneses tem formação e carreira militar.

Dambalab teve um cargo no Ministério dos Assuntos Externos e foi cônsul da embaixada sudanesa no Cairo, no Egipto, antes de dirigir vários departamentos dentro dos serviços de informação, incluindo os serviços secretos externos.

Salah Gosh apresentou a demissão depois de ter liderado a repressão contra os manifestantes que pediam a saída do presidente al-Bashir, que foi finalmente afastado do poder pelos militares depois de quase quatro meses de protestos nas ruas.

Os manifestantes e os grupos da oposição pediam a saída do chefe dos serviços secretos, bem como a dissolução daquele organismo, responsável por perseguir e prender dissidentes e activistas, e com um amplo histórico de abusos dos direitos humanos.

O Conselho Militar está a tentar responder às exigências dos manifestantes e negociar com a oposição, mas já alertou que a sua prioridade é manter a segurança e a estabilidade do país.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »