Portal de Angola
Informação ao minuto

Finlandeses votam este domingo para eleger novo Parlamento

Campanha em Helsínquia das eleições legislativas este domingo na Finlândia (Lehtikuva/Markku Ulander via REUTERS)

RFI | João Matos

Finlândia que tem o povo mais feliz do mundo vai hoje às urnas para eleger um novo Parlamento. Eleições legislativas que estão a decorrer depois duma campanha dominada por questões de austeridade e imigração. Todas as sondagens apontam para uma vitória da oposição dos sociais democratas, seguidos pela extrema direita e derrota do centro-direita no poder.

Os finlandeses estão a votar este domingo em eleições legislativas cuja campanha foi marcada por questões de recessão e austeridade económicas e combate à imigração, bandeira da extrema direita que poderá ficar em segundo lugar.

Em primeiro lugar, segundo todas as sondagens, ficariam os sociais democratas, ganhando estas eleições legislativas que o poder de centro-direita estará em vias de perder, já que foi muito criticado pela sua política de austeridade económica.

Estranho é que isto acontece na Finlândia que tem o povo mais feliz do mundo, segundo índices humanos de condições de vida feitos por organizações internacionais.

A coligação governamental do centro, partido do primeiro-ministro, Juha Sipilä, do partido da coligação nacional, da direita e do partido da reforma azul, eurocéptico, aplicou uma política de austeridade que tirou o país da recessão em 2016.

É esta política de austeridade que foi atacada pelos sociais democratas, com o seu líder a dizer nos comícios de campanha que tem de “haver meios equitáveis para tornar a sociedade finlandesa forte, onde não basta apenas uma política fiscal”.

Antti Rinne, 55 anos, líder dos sociais democratas e antigo sindicalista e ex-ministro das Finanças denunciou durante toda a campanha as medidas de rigor do primeiro ministro, Juha Sipilä, nomeadamente, cortes no orçamento da educação.

Finlândia, mais um país europeu com extrema direita forte

A questão da imigração foi explorada até à exaustão pela extrema direita do partido dos finlandeses genuínos, quando, em Finlândia, apenas 6,6% da população de 5,5 milhões e meio de habitantes nasceram no estrangeiro.

Mas a extrema direita prometeu reduzir consideravelmente a imigração e reforçar o direito de asilo. O partido finlandeses genuínos denuncia a violência e agressões sexuais de imigrantes e a histeria climática dos seus adversários, afirmando que os cidadãos não devem pagar para o programa contra o aquecimento global.

A extrema direita que sofreu uma cisão com o afastamento dos mais radicais, mesmo assim está posicionada em segundo lugar com cerca de 16% dos votos nas sondagens.

Já em 2015 tinha ficado em segundo lugar e em 2011 em terceiro lugar nas eleições legislativas.

De notar que nenhum dos partidos, mesmo os sociais democratas que são os favoritos consegue 20% dos votos, segundo as sondagens.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »