Portal de Angola
Informação ao minuto

Aumenta número de mortes na Líbia, diz ONU

Combates os arredores de Trípoli (DR)

DW África

Segundo a OMS, pelo menos 121 pessoas foram mortas na luta pelo controlo da capital, Trípoli. Com a escalada da violência, crescem também os receios de que o país afunde numa verdadeira guerra civil.

Este domingo, 14, as Nações Unidas alertaram as facções beligerantes na Líbia contra o ataque a áreas civis, mais de uma semana depois do início de uma grande ofensiva liderada pelo Exército Nacional Líbio (ANL, na sigla em francês), controlado pelo marechal Khalifa Haftar no leste do país, para capturar a capital Trípoli, actualmente controlada pelo Governo de união nacional instalado pela ONU e dirigido por Fayez al-Sarraj.

A advertência da Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (UNSMIL, na sigla em inglês) vem horas depois que a Organização Mundial de Saúde (OMS) relatou que 121 pessoas tinham sido mortas e 561 outras feridas nos combates.

“A UNSMIL adverte que o bombardeio de escolas, hospitais, ambulâncias e áreas civis é estritamente proibido pelo Direito Internacional Humanitário,” publicou a missão no Twitter.

A missão disse ainda que iria reportar as violações ao Conselho de Segurança da ONU e ao Tribunal Penal Internacional.

No sábado (13.04), a OMS também relatou oito diferentes ataques a trabalhadores médicos e seus veículos, desde 4 de Abril, quando Khalifa Haftar ordenou que suas forças ocupassem Trípoli.

A agência de saúde da ONU relatou anteriormente que um motorista de ambulância e dois os médicos tinham sido mortos na violência.

Para além dos combates no terreno, os dois lados lançaram ataques aéreos diários e acusam-se mutuamente de terem como alvo os civis.

O escritório das Nações Unidas para assuntos humanitários disse que mais de 13.500 pessoas foram deslocadas pelos confrontos, enquanto mais de 900 moradores vivem em abrigos.

ANL apoiado do Egipto

O presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi reuniu-se este domingo com o general Khalifa Haftar, segundo a mídia estatal.

Eles “estão a discutir os últimos acontecimentos na Líbia”, declarou o porta-voz presidencial egípcio Bassam Radi.

Egipto, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita são considerados os principais aliados de Haftar.

A investida de Haftar levantou receios globais de um agravamento do conflito na Líbia, rica em petróleo.

O general de 75 anos rejeitou vários apelos para parar a ofensiva em Trípoli.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »