Portal de Angola
Informação ao minuto

Procuradora apela à prática dos bons costumes

Pormenor da Cidade do Uíge (Foto: Pedro Parente)

A procuradora-geral da República na província do Uíge, Gertrudes Miguel, apelou quinta- feira as famílias angolanas a primarem pela partilha da herança e à prática dos bons costumes tradicionais, escreve a Angop.

O conselho foi feito durante a dissertação do tema “Fenómeno sucessório”, promovida pela Procuradoria-Geral da República (PGR), em alusão ao 40º aniversário da instituição, a assinalar-se a 27 de Abril, tendo adiantado que a partilha da herança pode ser feita enquanto o progenitor estiver em vida ou em virtude da sua morte.

De acordo com a procuradora, a transmissão de bens em forma de sucessão pode processar-se através de um testamento ou por via da Lei, tendo acrescentado ser necessário que as pessoas saibam que a sucessão é chamamento de uma ou mais pessoas à titularidade das relações jurídicas patrimonial de uma pessoa falecida e consequência de devolução de bens que antes pertenciam ou seja chamamento daquela pessoas que devem herdar os bens deixados.

A palestra visou encontrar melhores soluções do fenómeno sucessório que embaraça muitas famílias na sociedade, por causa da divisão dos bens deixados por um cidadão falecido.

Acrescentou que o testamento pode ser público (quando é elaborado pelo notário) ou cerrado, (quando é o autor que o subscreve) e o faz reconhecer junto do notário, para conferi-lo o seu efeito jurídico.

Explicou que podem ser herdeiros os filhos, netos, pais, irmãos ou descendentes destes, o cônjuge, entre outros parentes ou o Estado, de acordo com a circunstância e a condição da pessoa que deixa a herança.

A propósito, o advogado Sérgio Luís disse ser importante que a população continue a ter contacto com as autoridades judiciais para que se encontrem melhores soluções quando perante a problemas do fenómeno sucessórios (transmissão de herança)..

Por sua vez, o procurador nos Serviços de Investigação Criminal no Uíge, António Mateus, referiu que as instituições judiciárias vão continuar a realizar actividades do género para melhor esclarecer as pessoas sobre este fenómeno junto das comunidades.

Disse ainda que a abordagem dirige-se sobretudo as autoridades tradicionais para melhor transmitir à população das suas comunidades aspetos ligados a transmissão de herança e como herdar bens deixados pelos falecidos e seus aspectos colaterais.

A palestra enquadrou-se num ciclo de actividades programadas pela PGR no Uíge, iniciado a 2 de Abril e decorre sob lema “O direito à identidade enquanto fundamental”. Os participantes falaram ainda sobre as ferramentas que permitam elevar a sua cultura jurídica, como os herdeiros devem pagar os seus impostos, costumes do passado e do presente, entre outras matérias.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »