Portal de Angola
Informação ao minuto

Correa diz que Equador entregou Assange por acordo de US$ 4,2 biliões com FMI

Julian Assange a ser preso (© Foto: Ruptly)

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa, acusou o actual presidente equatoriano, Lenín Moreno, de suspender o asilo do ciberactivista Julian Assange para conseguir um empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Correa afirmou à Sputnik que há evidências do acordo e que Moreno prometeu “entregar” Assange durante uma reunião de 2017 com Paul Manafort, ex-chefe de campanha do presidente dos EUA, Donald Trump.

O ex-presidente Correa, que rompeu com Moreno, também comentou sobre as visitas feitas ao Equador pelo vice-presidente dos Estados Unidos Mike Pence.

Nessas ocasiões, Moreno teria prometido “ajudar a isolar a Venezuela, deixar a corporação petroleira Chevron, uma empresa que destruiu metade da floresta amazônica, impune e entregar Assange”.

No mês passado, o FMI anunciou a aprovação de um empréstimo para o Equador de US$ 4,2 biliões. A primeira parcela, de US$ 652 milhões, já foi paga.

Correa suspeita que o presidente equatoriano tomou a decisão de retirar o asilo de Assange depois que o WikiLeaks publicou documentos sobre o alegado relacionamento de Moreno com uma empresa de fachada, a INA Papers.

O ex-presidente apontou que a empresa INA Papers foi registada em 2012, quando Moreno ainda era seu vice-presidente, e quando no governo “nós lutamos a nível mundial contra os paraísos fiscais”.

Assange continuará por videoconferência os procedimentos para a próxima audiência de extradição, marcada para 2 de Maio.

Será uma sessão preliminar de um processo judicial que pode durar meses ou até anos.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »