Portal de Angola
Informação ao minuto

Confiança do investidor no sistema financeiro constitui preocupação do governo

MANUEL NUNES JUNIOR, MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL (FOTO: ANTÓNIO ESCRIVÃO)

Angop

O Executivo angolano está seriamente preocupado em recuperar a confiança dos investidores privados no sistema financeiro do país, daí que esteja, desde finais de 2017, a encetar uma série de medidas tendentes a este objectivo, com vista ao aumento da produção do sector empresarial, afirmou hoje, na Baía Farta, o ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior.

Num encontro com empresários da província de Benguela, a frente da equipa económica do Conselho de Ministros, Manuel Nunes disse que desde a entrada em funções do novo Executivo, em finais de 2017, este tem estado a trabalhar no sentido da recuperação dos índices de confiança dos investidores no sistema financeiro do país, o que tem conseguido graças as medidas adoptadas neste domínio.

Para si, não há desenvolvimento económico e não há crescimento económico, se os investidores não tiverem confiança no sistema financeiro do país.

“A situação global encontrada quando o executivo tomou posse apresentava sérios desequilíbrios, quer do ponto de vista das contas internas como das contas externas”, frisou o responsável, para quem as taxas de inflação eram muito altas, variáveis e imprevisíveis.

Segundo afirmou, no ano anterior ao da tomada de posse (2016), a taxa de inflação era da ordem dos 40 porcento e o mercado cambial apresentava desequilíbrios enormes, que atingiram uma diferença de quase 150 porcento em relação a taxa oficial, onde o kwanza, a moeda nacional, perdia valor de modo sistemático e que parecia imparável.

Lembrou que naquele período, a economia apresentava um quadro de recessão, ou seja, um crescimento negativo.

Disse tratar-se de um quadro encontrado no início da acção governativa do actual Executivo e que era preciso reverter rapidamente para que o país pudesse aumentar os níveis de confiança quer de investidores nacionais, como estrangeiros.

Manuel Nunes afirmou que passados quase ano e meio, pode-se dizer que os resultados são encorajadores, já que em relação as contas internas (desempenho fiscal), depois de vários anos a apresentar défices, em 2018 foi registado um “superávit” (que não quantificou) e, no mercado cambial, o país começa a entrar na normalidade, com a diferença do câmbio paralelo e do oficial a quedar-se dos 150 por cento em 2017 para cerca de 20 a 30 porcento em 2018.

Numa resenha em que abordou ainda o facto de o país ter também os seus compromissos em termos de moeda externa, disse que se está caminhando bem nesse sentido, onde o Banco Nacional de Angola (BNA) procura cumprir com os compromissos externos, o que está a elevar a confiança dos agentes que actuam na economia do país.

Informou que o governo está a trabalhar para que em 2019 os níveis de inflação sejam inferiores aos 18 por cento alcançados em 2018, porque é preciso reconquistar a confiança dos homens de negócio para que haja investimentos. “Porque se as pessoas não confiarem, nunca poderão investir e sem investimento não pode haver desenvolvimento, aliás, a confiança tem como fim último, o aumento da capacidade produtiva do país”, disse.

Para isso, assegurou, o governo vai apoiar seriamente, porque “estão aqui na sala produtores que estão a mostrar que podem produzir e competir com suas similares estrangeiras”, não obstante as dificuldades em termos de infra-estruturas, enfatizou.

Na ocasião, fez referência às unidades produtivas que a equipa económica visitou durante dois dias, com realce para a empresa Leonor Carrinho que está a instalar uma variedade de fábricas de produtos alimentares na Catumbela, bem como a cidade do sal, que, segundo os produtores, está a conhecer investimentos que vão levar o país a tornar-se auto-sustentável em termos de sal, dentro de dois anos.

Depois da sessão de debates, onde foram apresentadas algumas inquietações que entravam o aumento da produção das diferentes unidades produtivas, a equipa económica do Conselho de Ministros regressou a Luanda sem prestar mais declarações à imprensa.

Integraram a comitiva, os ministros do Comércio, da Indústria, da Agricultura e o secretário do Presidente da República para o sector produtivo, respectivamente Jofre Van-Dúnem, Bernarda Martins, Marcos Nhunga e Isaac dos Anjos, além de diferentes Secretários de Estado.

Esta é a primeira de uma série de visitas que a comissão económica do Conselho de Ministros vai efectuar nas 18 províncias do país.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »