Portal de Angola
Informação ao minuto

Embaixador da China em Bissau diz que arroz doado não é para fins lucrativos

Jin Hong Jun (DR)

DN/Lusa

O embaixador da China na Guiné-Bissau, Jin Hong Jun, disse que está a seguir “com muita atenção” a investigação da Polícia Judiciária à distribuição do arroz doado pelas autoridades chinesas, que “não é para venda”.

“Estamos a seguir com muita atenção esta evolução do incidente na distribuição do arroz doado pelo Governo chinês ao Governo da Guiné-Bissau. Trata-se de um donativo que foi alvo de um acordo entre as duas partes, entre os dois governos, durante a visita do Presidente da República, José Mário Vaz, à China em setembro passado e naquele acordo foi estabelecido claramente que o arroz não é para venda, trata-se de um donativo”, afirmou Jin Hong Jun.

O embaixador explicou que foi doado um total de 2.638 toneladas de arroz, no valor de três milhões de dólares, e que o donativo chegou a 26 de janeiro.

A Polícia Judiciária da Guiné-Bissau apreendeu no âmbito de uma operação, denominada “Arroz do Povo”, mais de 100 toneladas de arroz doado pela China, que segundo aquela força de investigação criminal, estava a ser preparado para ser vendido ao público.

“Levou bom tempo para tirar do porto para o armazém. Que eu saiba o último saco de arroz entrou no armazém no dia 09 de março”, disse, salientando que depois de realizou a cerimónia de entrega, na qual participaram o primeiro-ministro, Aristides Gomes, e o ministro da Agricultura, Nicolau Santos.

O arroz apreendido estava num armazém em Bafatá, propriedade do antigo ministro do Interior Botché Candé, e numa quinta do ministro da Agricultura, Nicolau dos Santos.

O ministro da Agricultura ainda não reagiu à apreensão feita na sua quinta pela Polícia Judiciária, mas a semana passada, em conferência de imprensa, disse que o arroz apreendido em Bafatá foi lá posto pelo Ministério da Agricultura, que foi alugado pelo Governo, para posterior distribuição.

O embaixador da China sublinhou que em Pequim houve dois consensos, o “primeiro é que o arroz é para os mais carenciados a nível nacional e segundo que o arroz não é para venda, não tem fins lucrativos”.

O diplomata explicou que o Governo guineense elaborou um plano de distribuição detalhado, a que a parte chinesa teve acesso, e que prevê a distribuição por todos os setores do país e divide os recetores da ajuda em três escalões.

“O primeiro escalão através das regiões será feito para as delegacias regionais de Agricultura, o segundo escalão são centros de saúde e hospitais, e o terceiro escalão são as instituições de caridade”, disse.

Jin Hong Jun disse ter informação que o arroz já foi distribuído ao segundo e terceiro escalão num total de 500 toneladas.

“No que respeita às regiões ainda não foi feita a distribuição. Entretanto, surgiu este incidente de desvio de arroz a ser apreendido e eu abordei a questão com o ministro da Agricultura que me teve a explicar o que se passou e da minha parte com boa-fé aceitei a explicação do senhor ministro”, salientou.

Para o embaixador, é importante aguardar pelos resultados da investigação da PJ para “apurar a verdade”.

“Até agora penso que todo o processo de distribuição está no bom ritmo e agora cabe às autoridades dissipar dúvidas para que as pessoas fiquem descansadas”, afirmou.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »