Portal de Angola
Informação ao minuto

Crianças seropositivas beneficiam de tratamento precoce

Imagem ilustrativa (DR)

O Plano Operacional da Prevenção de Transmissão do VIH de mãe para o filho 2019-2021 vai permitir tratar precocemente crianças seropositivas, através do diagnóstico precoce infantil e da aplicação de aconselhamento e testagem a iniciativa do provedor.

Inserido na campanha “Nascer Livre para Brilhar”, lançada pela primeira-dama da República de Angola, Ana Dias Lourenço, em Dezembro de 2018, o plano pretende reduzir a taxa de transmissão do VIH de mãe para o filho de 26 por cento em 2019 para 14 por cento até 2021.

De acordo com a Angop, o trabalho será realizado durante consultas de puericultura, vacinação, nutrição e outros serviços oferecidos às crianças.

O anúncio foi feito pela directora do Instituto Nacional de Luta contra a Sida (INLS), Lúcia Furtado, que fazia a apresentação do plano durante um encontro da primeira-dama da República de Angola, Ana Dias Lourenço, com as esposas dos governadores provinciais e embaixadores do projecto.

Segundo a responsável, o plano é composto por quatro eixos: prevenção primária do VIH, da transmissão do VIH de mãe para filho, tratamento pediátrico e áreas transversais (combate de estigma e discriminação).

O plano tem com objectivo reduzir em 46 por cento as novas infecções do VIH até 2021 e aumentar a utilização do preservativo pelos jovens de 33 por cento para 65 por cento e 42 por cento para 70 em rapazes.

Avaliado em mais de 51 mil milhões de Kwanzas (cinquenta e um mil, quatrocentos e um milhões, seiscentos e trinta e nove mil e seiscentos e dois kwanzas e noventa e cinco cêntimos), prevê que em cada ano sejam necessários dezassete mil milhões de Kwanzas.

Acrescentou que numa primeira fase foram selecionadas para a implementação do plano as províncias de Benguela, Cuanza sul, Cunene, Huambo, Huíla, Luanda, Lunda Sul e Moxico.

Os grupos prioritários, para além de grávidas da população geral, serão as do meio rural, as adolescentes e jovens, em particular as mais vulneráveis: as mulheres trabalhadoras de sexo, as prisioneiras e os homens.

A visão do projecto é ter em 2030 uma Angola sem Sida pediátrica, graças ao acesso gratuito a serviços de qualidade de prevenção de transmissão de mãe para o filho e de prevenção, cuidados e tratamento do VIH, com base no respeito dos direitos humanos, género e equidade.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »