Portal de Angola
Informação ao minuto

Surto de cólera em Moçambique causa sétima morte

Está em marcha desde a passada quarta-feira uma campanha de vacinação contra a cólera em território moçambicano (Mike Hutchings - Reuters)

RTP/Lusa

Aumentou para sete o número de casos mortais no surto de cólera declarado em Moçambique após a passagem do ciclone Idai, confirmou esta terça-feira o Ministério da Saúde daquele país africano. A sétima morte ocorreu no distrito de Nhamatanda. Na frente da reconstrução de infraestruturas, o Governo moçambicano decidiu instalar um gabinete autónomo.

Três dos casos fatais ocorreram no distrito da Beira. Dois foram registados em Dondo e outros dois em Nhamatanda. Neste distrito, o número de casos notificados de cólera ascende a 535.

Após tratamento, ainda segundo o Ministério moçambicano da Saúde, 98 por cento dos casos têm recebido alta. Há 76 por solucionar: 42 no distrito da Beira, 23 em Nhamatanda, nove em Dondo e dois no distrito de Buzi.

A campanha de vacinação tutelada pela Organização Mundial da Saúde já abrangeu 745.609 pessoas. Buzi superou mesmo o número previsto.

A cólera é uma doença tratável que causa diarreias. Se não for travada atempadamente, pode causar a morte por desidratação. O consumo de água e alimentos contaminados está na origem da maior parte dos casos.
Nasce Gabinete de Reconstrução

Esta terça-feira o Governo moçambicano aprovou um diploma para a criação do denominado Gabinete de Reconstrução Pós-Idai, estrutura à qual caberá coordenar a recuperação de infraestruturas após a catástrofe.

“O objetivo é assegurar uma correta coordenação de todo processo de avaliação, planificação e implementação dos planos para o programa de reconstrução, provendo uma rápida recuperação nas zonas afetadas”, indicou Ana Comoana, porta-voz do Conselho de Ministros moçambicano, citada pela agência Lusa.

“O que se pretende é que esse gabinete olhe para os aspetos de desenvolvimento económico e social. Ou seja, uma reconstrução na perspetiva de um desenvolvimento integral”, acrescentou.

Esta nova estrutura vai laborar na dependência direta do Conselho de Ministros e de forma autónoma relativamente ao Instituto de Gestão de Calamidades. Integrará três elementos com uma missão de cariz temporário.

Os ventos e a chuva do Idai abateram-se a 14 de março sobre o centro de Moçambique, o Malawi e o Zimbabué. O mais recente balanço das autoridades moçambicanas refere 602 vítimas mortais e 1641 feridos. Foram afetadas mais de 1,5 milhões de pessoas no país.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »