Portal de Angola
Informação ao minuto

Imagem de buraco negro é prova mais directa da sua existência

A primeira imagem de um buraco negro foi revelada nesta quarta-feira (Reprodução de vídeo) (afp_tickers)

AFP

A primeira imagem de um buraco negro, revelada nesta quarta-feira (10), constitui “a prova mais directa” já obtida da “existência” destes corpos celestes – explica o astrónomo Frédéric Gueth, director adjunto do Instituto de Radioastronomia Milimétrica da Europa, que participou do projecto.

Pergunta: Como esta façanha foi possível?

Resposta: “Durante as observações do projecto ‘Event Horizon Telescope’ (EHT), todos os telescópios milimétricos do planeta se uniram para fazer a mesma observação, rigorosamente ao mesmo tempo.

Combinando todos os telescópios, uma técnica denominada interferometria, se obtém uma antena virtual com um tamanho equivalente ao da Terra.

A unidade milimétrica acaba por ser o melhor comprimento de onda para o estudo de buracos negros, pois atravessa a nuvem de poeira que os cerca. O que não é o caso, por exemplo, do infravermelho”.

P: O que se observa na imagem revelada nesta quarta-feira?

R: “Por definição, um buraco negro não pode ser visto. E nunca poderá ser visto.

Mas sabemos que o disco de acreção – a matéria que cerca o buraco negro e que compreende gás extremamente quente e restos de estrelas decompostas pelo entorno gravitacional – é relativamente brilhante.

Esta matéria pode ser detectada antes de ser engolida pelo buraco negro. A ideia era observar o buraco negro por contraste.

O que vemos na imagem é a sombra do ponto de ‘não retorno’ (baptizada horizonte dos eventos) de um buraco negro sobre o disco de acreção brilhante.

Estas observações permitiram determinar que o buraco negro supermaciço da galáxia M87 tinha uma massa 6,5 biliões de vezes superior à do Sol, um raio de 22 microssegundos de arco e que girava no sentido dos ponteiros do relógio.

Da Terra, nós o vemos a 60 graus.”

P: O que vem depois?

R: “Como tudo saiu muito bem em 2017, vamos começar de novo.

O ‘Event Horizon Telescope’ seguirá evoluindo nos próximos anos, sobretudo, com a integração de novos telescópios ao projecto: Noema, a segunda estação mais sensível, estabelecida nos Alpes franceses, e Greenland, na Groenlândia.

Esta imagem confirma claramente os modelos de buracos negros em rotação. Observamos exactamente o que havíamos previsto. Isto nos deixa satisfeitos.

A chave agora será definir a densidade exacta da matéria que existe ao redor do buraco negro, compreender melhor o campo magnético, cujo papel é fundamental, e a maneira como a matéria gira no disco”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »